Investidor renova otimismo com economia e juros voltam a fechar em baixa

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tweet
Compartilhar no linkedin
Publique
Compartilhar no whatsapp
Encaminhe
Compartilhar no email
Envie

Newsletter

Receba notícias por Whatsapp

Receba notícias pelo Telegram

Os juros futuros deram sequência ao movimento de ontem, com taxas em baixa ao longo de toda a curva a termo, especialmente a partir do chamado miolo. A trajetória continuou sendo ditada pela melhora na perspectiva com a economia, com o dado da produção industrial estendendo o efeito positivo do PIB ontem sobre os negócios. Além disso, o dólar em queda contribuiu para o alívio nos prêmios, num dia também de apetite por ativos de risco no exterior. A despeito do maior otimismo sobre o crescimento, as apostas de corte na Selic voltaram a aumentar nestes dois últimos dias na precificação da curva a termo.

A taxa do contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para janeiro de 2021 fechou com taxa de 4,68% (sessão regular e estendida), ante 4,709% ontem no ajuste, e a do DI para janeiro de 2023 caiu de 5,901% para 5,82% (regular e estendida). O DI para janeiro de 2025 encerrou em 6,42% (regular e estendida), de 6,491% ontem no ajuste, e a do DI para janeiro de 2027 encerrou a 6,73% (regular) e 6,75% (estendida), de 6,811%.

Na esteira dos aumentos de 0,6% e 1,2% do PIB no terceiro trimestre anunciados ontem, hoje o crescimento da produção industrial em outubro ante setembro (+0,8%), ainda que levemente abaixo da mediana das estimativas (+0,9%), sugere que o nível da atividade doméstica seguiu ganhando força no começo do quatro trimestre. Apesar disso, o maior impulso da atividade não traz preocupações sobre o quadro inflacionário que segue, por ora, sujeito a apenas alguns choques, como o de carnes.

André Perfeito, economista-chefe da Necton Investimentos, afirma que, em tese, a agenda do dia, que ainda teve o IPC-Fipe acima do esperado, sugeria uma postura mais defensiva do investidor. O IPC-Fipe de novembro avançou 0,68%, superando o teto das projeções (+0,62%). “Mas hoje é um dia de entusiasmo para todos os ativos. O sentimento nas mesas é de que as coisas estão indo bem”, disse.

A ponta curta, que melhor capta as apostas para a Selic nos próximos meses, continua chamando a atenção mais pelo volume de contratos negociados, hoje acima da média padrão, do que pelo fechamento das taxas, que caíram de forma comedida tanto ontem quanto hoje. De todo modo, a expectativa de queda de 0,50 ponto da Selic na próxima semana, que chegou a perder força nas últimas semanas com a pressão do câmbio, voltou a ganhar espaço.

Segundo o Haitong Banco de Investimento, no fim da tarde, a curva apontava em torno de 80% de chance de redução de 0,50 ponto porcentual e 20% de queda de 0,25 ponto. “Na segunda-feira, estava mais para 65% a 35%”, disse o economista-chefe do banco, Flávio Serrano. Para fevereiro, no entanto, o quadro não se alterou substancialmente e segue dividido, com 45% de chance de queda de 0,25 ponto e 55% de possibilidade de manutenção.

Denise Abarca

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email