Inflação britânica desacelera a 1,5% em março, como previsto

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tweet
Compartilhar no linkedin
Publique
Compartilhar no whatsapp
Encaminhe
Compartilhar no email
Envie

Newsletter

Receba notícias por Whatsapp

Receba notícias pelo Telegram

O índice de preços ao consumidor (CPI, na sigla em inglês) do Reino Unido subiu 1,5% em março ante igual mês do ano passado, desacelerando em relação ao ganho anual de 1,7% observado em fevereiro, segundo dados publicados hoje pelo Escritório Nacional de Estatísticas (ONS).

O resultado de março veio em linha com a expectativa de analistas consultados pelo The Wall Street Journal, mas afastou ainda mais a inflação britânica da meta do Banco da Inglaterra (BoE, na sigla em inglês), que é de uma taxa de 2%.

Em relação a fevereiro, o CPI do Reino Unido ficou estável em março, também como projetado pelo mercado.

O núcleo do CPI, que exclui itens voláteis como alimentos e energia, teve leve alta de 0,10% em março ante o mês anterior e registrou acréscimo anual de 1,6%.

Já o índice de preços ao produtor (PPI) “output” – que mede os preços na porta das fábricas – do Reino Unido caiu 0,2% no mês passado ante fevereiro, mas avançou 0,3% no confronto anual. Fonte: Dow Jones Newswires.

Advertência

Declaramos que o Portal Acionista.com.br não se responsabiliza pelas informações divulgadas neste site e qualquer outro canal, tanto referente às matérias de produção própria , quanto matérias ou análises produzidas por terceiros ou reproduzidas de links autorizados, publicados nas nossas páginas a partir de uma seleção criteriosa, porém sem garantir sua integralidade e exatidão.
Matérias e  análises produzidas por terceiros são de inteira responsabilidade dos mesmos. As informações, opiniões, sugestões, estimativas ou projeções referem-se a data presente e estão sujeitas à mudanças conforme as condições do mercado, sem prévio aviso.
Informamos, ainda, que o Acionista.com.br não faz qualquer recomendação de investimento e que, portanto, não se responsabiliza por perdas, danos, custos e lucros cessantes decorrentes de operações financeiras de qualquer tipo, enfatizando que as decisões sobre investimentos são pessoais.
Importante lembrar sempre: ganhos passados, não são garantia de ganhos futuros.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Leia também

Leia também

Mulheres em Ação