Publicidade
Publicidade
Publicidade

IGP-10 cai 0,37% em setembro, aponta FGV

Data da publicação

Empresa autorizada a distribuir informações financeiras das principais bolsas de valores do mundo. Reconhecida por sua tradição e excelência em captar cotações de ativos não negociados em bolsas, através de seu núcleo de Captação e Monitoração de Mercado. Disponibiliza, também, de forma ágil e rápida, notícias e análises relevantes para o mercado financeiro, produzidas pela Enfoque e seus parceiros.

Destaques

Data da publicação

A Fundação Getulio Vargas (FGV) divulgou que o Índice Geral de Preços – 10 (IGP-10) caiu 0,37% em setembro. No mês anterior, o índice havia variado 1,18%. Com esse resultado, o índice acumula alta de 16,44% no ano e de 26,84% em 12 meses. Em setembro de 2020, o índice subira 4,34% no mês e acumulava elevação de 17,03% em 12 meses.

‘Café (13,51%), açúcar (8,75%) e tarifa de energia (3,06%) figuram entre as principais pressões inflacionárias do IPA e do IPC e refletem os efeitos da estiagem sobre os preços dos alimentos e da energia. A taxa negativa registrada pelo IGP tem a ver com o comportamento do preço do minério de ferro; que caiu 22,17%’, afirma André Braz, Coordenador dos Índices de Preços.

Dentre os indicadores, o Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA) caiu 0,76% em setembro. No mês anterior, o índice havia registrado alta de 1,29%. Na análise por estágios de processamento, os preços dos Bens Finais subiram de 1,60% em agosto para 2,13% em setembro. A principal contribuição para este resultado partiu do subgrupo alimentos processados, cuja taxa passou de 0,59% para 2,61%. O índice relativo a Bens Finais (ex), que exclui os subgrupos alimentos in natura e combustíveis para o consumo, subiu 1,66% em setembro. No mês anterior, a taxa havia sido 0,97%.

A taxa do grupo Bens Intermediários passou de 1,93% em agosto para 1,83% em setembro. A principal contribuição para este movimento partiu do subgrupo combustíveis e lubrificantes para a produção, cuja taxa passou de 3,72% para 0,14%. O índice de Bens Intermediários (ex), obtido após a exclusão do subgrupo combustíveis e lubrificantes para a produção, subiu 2,09% em setembro, ante 1,65% no mês anterior.

O índice do grupo Matérias-Primas Brutas passou de 0,55% em agosto para -5,01% em setembro. As principais contribuições para este recuo partiram dos seguintes itens: minério de ferro (-7,23% para -22,17%), milho em grão (10,03% para 0,52%) e soja em grão (6,79% para 2,47%). Em sentido ascendente, os movimentos mais relevantes ocorreram nos itens arroz em casca (0,45% para 5,31%), laranja (5,63% para 9,90%) e algodão em caroço (1,28% para 3,28%).

Já o Índice de Preços ao Consumidor (IPC) subiu 0,93% em setembro. Em agosto, o índice havia apresentado taxa de 0,88%. Seis das oito classes de despesa componentes do índice registraram acréscimo em suas taxas de variação: Educação, Leitura e Recreação (0,51% para 1,34%), Comunicação (-0,13% para 0,12%), Transportes (0,93% para 0,97%), Despesas Diversas (0,10% para 0,29%), Saúde e Cuidados Pessoais (0,45% para 0,50%) e Vestuário (0,17% para 0,18%). As principais contribuições para este movimento partiram dos seguintes itens: passagem aérea (3,82% para 11,50%), mensalidade para TV por assinatura (-0,46% para 0,21%), etanol (-1,03% para 4,70%), serviços bancários (0,14% para 0,35%), medicamentos em geral (0,10% para 0,38%) e acessórios do vestuário (-0,29% para 0,63%).

Em contrapartida, os grupos Habitação (1,56% para 1,33%) e Alimentação (1,13% para 1,05%) apresentaram decréscimo em suas taxas de variação. Nestas classes de despesa, as maiores influências partiram dos seguintes itens: tarifa de eletricidade residencial (5,74% para 3,06%) e hortaliças e legumes (5,17% para 1,04%).

Para finalizar, o Índice Nacional de Custo da Construção (INCC) variou 0,43% em setembro. No mês anterior a taxa subira 0,79%. Os três grupos componentes do INCC registraram as seguintes variações na passagem de agosto para setembro: Materiais e Equipamentos (1,44% para 0,82%), Serviços (0,77% para 0,49%) e Mão de Obra (0,24% para 0,08%).

Autor

Empresa autorizada a distribuir informações financeiras das principais bolsas de valores do mundo. Reconhecida por sua tradição e excelência em captar cotações de ativos não negociados em bolsas, através de seu núcleo de Captação e Monitoração de Mercado. Disponibiliza, também, de forma ágil e rápida, notícias e análises relevantes para o mercado financeiro, produzidas pela Enfoque e seus parceiros.

Receba informações do mercado financeiro no seu celular gratuitamente

Compartilhe esse post nas suas redes!

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email

Você pode se interessar por

Publicidade

Leia também

Publicidade

Advertência

Declaramos que o Portal Acionista.com.br não se responsabiliza pelas informações divulgadas neste site e qualquer outro canal, tanto referente às matérias de produção própria , quanto matérias ou análises produzidas por terceiros ou reproduzidas de links autorizados, publicados nas nossas páginas a partir de uma seleção criteriosa, porém sem garantir sua integralidade e exatidão. Matérias e  análises produzidas por terceiros são de inteira responsabilidade dos mesmos. As informações, opiniões, sugestões, estimativas ou projeções referem-se a data presente e estão sujeitas à mudanças conforme as condições do mercado, sem prévio aviso. Informamos, ainda, que o Acionista.com.br não faz qualquer recomendação de investimento e que, portanto, não se responsabiliza por perdas, danos, custos e lucros cessantes decorrentes de operações financeiras de qualquer tipo, enfatizando que as decisões sobre investimentos são pessoais.
Importante lembrar sempre: ganhos passados, não são garantia de ganhos futuros.

Publicidade

Telegram Acionista

Os principais destaques do mercado! A melhor cobertura.

Esse site usa cookies para personalizar o conteúdo, propagandas e acompanhar o tráfego de acordo com os nossos Termos de Uso e Política de Privacidade.