Publicidade
Publicidade
Publicidade

Impacto do auxílio emergencial deverá ser menor no comércio

Data da publicação

Empresa autorizada a distribuir informações financeiras das principais bolsas de valores do mundo. Reconhecida por sua tradição e excelência em captar cotações de ativos não negociados em bolsas, através de seu núcleo de Captação e Monitoração de Mercado. Disponibiliza, também, de forma ágil e rápida, notícias e análises relevantes para o mercado financeiro, produzidas pela Enfoque e seus parceiros.

Data da publicação

Importante na retomada econômica do comércio na primeira fase da pandemia, o auxílio emergencial este ano deve impactar o setor oito vezes menos. O cálculo é da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) e leva em conta principalmente a redução do montante de recursos disponibilizados, além de fatores como o comprometimento da renda familiar da população.

Na nova rodada do auxílio emergencial, R$ 12,75 bilhões devem ser injetados nos caixas do comércio varejista, o equivalente a 31,2% do que for sacado pela população. Em 2020, o valor destinado ao consumo no varejo foi de R$ 103,8 bilhões, 35,4% dos recursos do benefício.

O presidente da CNC, José Roberto Tadros, reforça que, apesar de a redução do benefício impactar o setor, o pagamento do auxílio é sempre uma medida positiva para estímulo da economia e dá garantias à população. Ele acrescenta ainda que outros fatores corroboram a oscilação do poder econômico durante o período de crise.

Publicidade

‘É preciso observar que a partir de setembro, quando o auxílio foi reduzido à metade, o varejo conseguiu manter as vendas aquecidas. Isso porque há fatores que também impactam a capacidade de consumo da população, como o nível de isolamento social, as condições de crédito e a inflação’, explica Tadros, lembrando que os períodos mais dramáticos para o comércio são os de determinação de lockdown.

Comprometimento da renda

Estatísticas do Banco Central mostram que o comprometimento da renda das famílias, que já se situava em nível recorde, aumentou ao longo do primeiro trimestre de 2021. A CNC estima que atualmente essa proporção tenha atingido 30,3% da renda familiar. Assim, a tendência é que, mesmo proporcionalmente, mais recursos do auxílio emergencial tenham outra destinação que não o consumo de bens.

‘O recurso se propõe a ser ainda mais contingencial, o que dá baixa margem para perspectivas de consumo. As famílias vão precisar escolher o gasto. Por isso, para além do consumo básico, como alimentação, a preferência vai ser o abatimento de uma dívida. Ou até guardar esse dinheiro para uma situação de necessidade’, avalia o economista da CNC responsável pelo estudo, Fabio Bentes.

(MR – Agência Enfoque)


Como podemos ajudar você?

Em nosso canal do Telegram você receberá as principais notícias que movimentam o mercado.

Na área O que comprar você acompanha diversas sugestões e atualizações.

Publicidade

Em nossas Assinaturas você pode conferir diversas recomendações, análises e conteúdos exclusivos.

Autor

Empresa autorizada a distribuir informações financeiras das principais bolsas de valores do mundo. Reconhecida por sua tradição e excelência em captar cotações de ativos não negociados em bolsas, através de seu núcleo de Captação e Monitoração de Mercado. Disponibiliza, também, de forma ágil e rápida, notícias e análises relevantes para o mercado financeiro, produzidas pela Enfoque e seus parceiros.

Receba informações do mercado financeiro no seu celular gratuitamente

Compartilhe esse post nas suas redes!

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email

Você pode se interessar por

Publicidade

Leia também

Publicidade

Advertência

Declaramos que o Portal Acionista.com.br não se responsabiliza pelas informações divulgadas neste site e qualquer outro canal, tanto referente às matérias de produção própria , quanto matérias ou análises produzidas por terceiros ou reproduzidas de links autorizados, publicados nas nossas páginas a partir de uma seleção criteriosa, porém sem garantir sua integralidade e exatidão. Matérias e  análises produzidas por terceiros são de inteira responsabilidade dos mesmos. As informações, opiniões, sugestões, estimativas ou projeções referem-se a data presente e estão sujeitas à mudanças conforme as condições do mercado, sem prévio aviso. Informamos, ainda, que o Acionista.com.br não faz qualquer recomendação de investimento e que, portanto, não se responsabiliza por perdas, danos, custos e lucros cessantes decorrentes de operações financeiras de qualquer tipo, enfatizando que as decisões sobre investimentos são pessoais.
Importante lembrar sempre: ganhos passados, não são garantia de ganhos futuros.

Publicidade

Telegram Acionista

Os principais destaques do mercado! A melhor cobertura.

Esse site usa cookies para personalizar o conteúdo, propagandas e acompanhar o tráfego de acordo com os nossos Termos de Uso e Política de Privacidade.