IMÃ Explica: Short Squeeze, o que é e como funciona?

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email

Nas últimas semanas, muito se falou do termo Short Squeeze, reforçado diversas vezes por Aldo Moraes, na série do IMÃ – Instante Mágico Acionista que tem como foco o olhar diário dos gráficos e principais tendências dos ativos da Bolsa.

Como foi dito por Aldo na última segunda feira (08), no curto prazo, segundo análise técnica, o índice Ibovespa sinaliza uma mudança de comportamento que pode fazer com que oscile entre os níveis de 115 mil a 127.500 pontos. Dados que indicam a possibilidade de forte oscilação.

Insistentemente citado o “Rodízio de Carteiras” e o “Smart Money”, conjuntamente com as “Fake News” e a constante ameaça de novos “Short Squeeze”, elevam, a já alta, volatilidade diária.

Você pode conferir o material completo aqui.

Short Squeeze, o que é e como funciona?

Short squeeze, é o nome referente à um movimento forte, brusco e significativo no preço de um ativo, algo puramente especulativo.

Na prática a oscilação é vista com a súbita valorização de algum ativo de forma muito significativa. Geralmente, após o movimento, as ações tendem a recuar, podendo ser tão forte quanto subiu.

A causa do movimento repentino é por conta do fechamento de posições (recompra de ações) de investidores vendidos no papel. Ou seja, investidores que venderam o papel sem tê-lo (apostando na queda), também conhecido como operação short que precisam recomprar a ação para cobrir a operação.

Quando há muitos investidores na mesma situação e estes decidem se desfazer da posição ao mesmo tempo (para se desfazer basta realizar a operação inversa: comprar) gera o efeito brusco de alta no preço das ações.

O que é estar vendido no papel? Ou short?

Saber o que é uma “operação vendida” ou estar short no papel ajudará entender o que é short squeeze. A operação também é chamada de vender a descoberto, o objetivo é vender um ativo por um valor e recomprá-lo por um preço menor posteriormente, lucrando com essa transação.

Os investidores que operam vendido, geralmente, fazem isso por meio do aluguel de ações. Portanto o risco está no compromisso em relação à oscilação do preço para o lado oposto, pois quem aluga precisa honrar o compromisso com o locatário: comprar o papel no mercado a vista para devolver ao dono.

Quando há muitos “compromissos de recompra” de um mesmo ativo ocorre o movimento de short squeeze. Portanto para que aconteça é preciso que ocorra três situações:

  1. Investidores operando vendido (apostando na queda).
  2. Investidores com dificuldade de encontrar mais ações para alugar o mesmo papel.
  3. Investidores obrigados a zerar a posição, vender (recomprar) todas as ações adquiridas.

Para descobrir se há possibilidade de um short squeeze em algum papel é preciso ficar atento na proporção das ações alugadas e no volume em que essas operações estão sendo realizadas. Quanto maior a proporção, maior será a chance de ocorrer um short squeeze.

Veja todas as publicações do ÍMÃ

A série para você incluir entre as suas estratégias de investimentos. Todas as manhãs, Aldo Moraes passa sua análise dos ativos e sugestões de compra e venda.

IMÃ – Instante Mágico Acionista

Receba conteúdos diariamente por e-mail

Acionista.com.br

Acionista.com.br

O portal Acionista.com.br aproxima investidores, informações e investimentos com conteúdos atualizados diariamente sobre o mercado financeiro e as companhias abertas nos diferentes meios digitais – website e redes sociais.

Você pode se interessar por

Publicidade

Receba notícias pelo Telegram

Leia também

Tire dúvidas sobre investimentos

Últimas atualizações sobre

Advertência

Declaramos que o Portal Acionista.com.br não se responsabiliza pelas informações divulgadas neste site e qualquer outro canal, tanto referente às matérias de produção própria , quanto matérias ou análises produzidas por terceiros ou reproduzidas de links autorizados, publicados nas nossas páginas a partir de uma seleção criteriosa, porém sem garantir sua integralidade e exatidão.
Matérias e  análises produzidas por terceiros são de inteira responsabilidade dos mesmos. As informações, opiniões, sugestões, estimativas ou projeções referem-se a data presente e estão sujeitas à mudanças conforme as condições do mercado, sem prévio aviso.
Informamos, ainda, que o Acionista.com.br não faz qualquer recomendação de investimento e que, portanto, não se responsabiliza por perdas, danos, custos e lucros cessantes decorrentes de operações financeiras de qualquer tipo, enfatizando que as decisões sobre investimentos são pessoais.
Importante lembrar sempre: ganhos passados, não são garantia de ganhos futuros.

Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com os nossos Termos de Uso e Política de Privacidade e, ao continuar navegando neste site, você declara estar ciente dessas condições.