Igualdade de gênero ainda está longe de ser uma realidade global

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email

Fórum Econômico Mundial (FEM) divulgou, no dia 31 de março deste ano, os dados do novo Relatório Global de Gênero. No ranking, que conta com 156 países, o Brasil está em 93º lugar em igualdade de gênero, caindo uma posição em relação ao levantamento de 2020.

A análise, que compara a evolução da lacuna de gênero na economia, política, educação e saúde, aponta que, apesar do progresso nas duas últimas áreas citadas, as mulheres precisam lidar cada vez mais com obstáculos econômicos, além de ter participação política e no mercado de trabalho reduzida.

O relatório do FEM, assim como outros estudos, revela que a pandemia da Covid-19 tem impactado o gênero feminino mais diretamente, colaborando, inclusive, para a criação do termo “shecession” (recessão feminina). Cinco por cento de todas as mulheres perderam seus empregos até o momento, em comparação com 3,9% de todos os homens.

Com isso, a lacuna de gênero aumentou, em uma geração, de 99,5 anos para 135,6 anos, enquanto a diferença econômica de gênero deve levar mais de 267 anos para ser fechada. O lento progresso é resultado da desproporcionalidade entre a quantidade de profissionais qualificadas e a mínima ocupação feminina em cargos de gerência.

“A pandemia impactou fundamentalmente a igualdade de gênero no local de trabalho e na casa, retrocedendo anos de progresso. Se queremos uma economia futura dinâmica, é vital que as mulheres sejam representadas nos empregos de amanhã. Agora, mais do que nunca, é fundamental focar a atenção da liderança, comprometendo-se com metas firmes e mobilização de recursos. Este é o momento para incorporar a paridade de gênero ao projeto na recuperação”, diz Saadia Zahidi, diretora-geral do Fórum Econômico Mundial, no relatório de 2021.

Por outro lado, na educação, 37 dos 156 países analisados, já alcançaram a paridade de gênero, e mais de 95% deles já eliminaram essa diferença na área da saúde. Com relação a esses índices, o Brasil ocupa as posições 37ª e 3ª, respectivamente.

Para ter uma recuperação econômica que dê mais oportunidades ao público feminino no futuro, o relatório sugere quatro medidas. Confira.

Assegurar a paridade de gênero no mundo do trabalho pós-COVID-19

  • Requalificação das mulheres para que estejam prontas para voltar ao mercado de trabalho, principalmente em setores de alto crescimento;
  • Planejamento da força de trabalho com perspectiva de gênero e políticas e estratégias de redistribuição dos empregos.

Fechar as lacunas de gênero na remuneração entre e dentro dos setores

  • Avaliações de pagamento e políticas de remediação adequadas entre pessoas que exerçam as mesmas funções;
  • Melhorar a qualidade do trabalho e os padrões de pagamento em funções essenciais atualmente mal remunerados.

Permitir a participação das mulheres na força de trabalho

  • Criação de acordos de trabalho flexíveis ou alternativos que suportam uma força de trabalho diversificada;
  • Reforçar as redes de segurança social.

Ter mais mulheres ocupando cargos de gestão e liderança

  • Definição de metas para mulheres em liderança em nível governamental e empresarial.

Para ler o Relatório Global de Gênero na íntegra, acesse: https://bit.ly/3t780S9.

Com informações do Fórum Econômico Mundial.

Receba conteúdos diariamente por e-mail

Movimento Mulher360

Movimento Mulher360

Referência no engajamento de empresas na promoção da equidade de gênero e empoderamento feminino. Atuamos em 3 dimensões: fomento, sistematização e disseminação de conhecimentos e práticas com o objetivo de acelerar o avanço da equidade de gênero nas empresas e nas suas cadeias de valor.

Você pode se interessar por

Publicidade

Receba notícias pelo Telegram

Leia também

Tire dúvidas sobre investimentos

Últimas atualizações sobre

Advertência

Declaramos que o Portal Acionista.com.br não se responsabiliza pelas informações divulgadas neste site e qualquer outro canal, tanto referente às matérias de produção própria , quanto matérias ou análises produzidas por terceiros ou reproduzidas de links autorizados, publicados nas nossas páginas a partir de uma seleção criteriosa, porém sem garantir sua integralidade e exatidão.
Matérias e  análises produzidas por terceiros são de inteira responsabilidade dos mesmos. As informações, opiniões, sugestões, estimativas ou projeções referem-se a data presente e estão sujeitas à mudanças conforme as condições do mercado, sem prévio aviso.
Informamos, ainda, que o Acionista.com.br não faz qualquer recomendação de investimento e que, portanto, não se responsabiliza por perdas, danos, custos e lucros cessantes decorrentes de operações financeiras de qualquer tipo, enfatizando que as decisões sobre investimentos são pessoais.
Importante lembrar sempre: ganhos passados, não são garantia de ganhos futuros.

Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com os nossos Termos de Uso e Política de Privacidade e, ao continuar navegando neste site, você declara estar ciente dessas condições.