Publicidade
Publicidade
Publicidade

IFI: reforma do IR tem custo de R$ 52,2 bi a cofres da União nos próximos 3 anos

Data da publicação

“O Estado de S. Paulo” é o mais antigo dos jornais da cidade de São Paulo ainda em circulação . Em 4 de janeiro de 1875, ainda durante o Império, circulava pela primeira vez “A Província de S. Paulo” – seu nome original.

Data da publicação

Enquanto a Câmara não divulgou ainda o impacto da reforma tributária do Imposto de Renda aprovada por ampla maioria, a Instituição Fiscal Independente (IFI) do Senado calculou uma perda de R$ 52,2 bilhões em três anos com as mudanças aprovadas pelos deputados, segundo nota técnica divulgada nesta sexta-feira, 3.

No último ano do mandato do presidente da República, Jair Bolsonaro, o custo para as contas públicas foi estimado em R$ 28,9 bilhões. O próximo governo, nos dois primeiros anos, sofrerá com uma perda de R$ 11 bilhões (2023) e R$ 12,3 bilhões (2024).

Publicidade

Nesta sexta, o próprio secretário especial de Tesouro e Orçamento do Ministério da Economia, Bruno Funchal, disse que o impacto para a União em 2022 é de cerca de R$ 20 bilhões de perda, mas que a Receita divulgaria depois o número preciso.

O impacto negativo poderá será ainda maior. É que para três importantes medidas da reforma que geram alta de arrecadação (atualização de imóveis, tributação de fundos exclusivos e remessas de dividendos ao exterior) a IFI utilizou estimativas da Receita que já se sabe estão superestimadas com as mudanças no projeto introduzidos.

Outra agravante é que nessa conta a alta de arrecadação que se espera com a revogação de incentivos fiscais para os setores específicos, como medicamentos e químicos, pode não acontecer porque o próprio Congresso tem sido refratário a cortes desses benefícios.

Para as demais mudanças do projeto, a IFI fez a suas próprias estimativas e toda a metodologia de cálculo de cada uma delas. “Não tendo a reversão dessas renúncias, o impacto pode ser ainda mais negativo”, disse ao jornal O Estado de S. Paulo o diretor executivo da IFI, Felipe Salto.

Publicidade

Sem contabilizar a reversão dessas renúncias, o efeito da proposta em 2023 pode saltar para R$ 33,3 bilhões, estima a IFI.

Para Salto, os cálculos mostram que o efeito da reforma, do ponto de vista fiscal, é significativo, com incertezas muito grandes. “Abrir mão de receitas neste momento é bastante preocupante, dada a fragilidade do quadro fiscal”, diz.

O projeto do Imposto de Renda foi aprovado esta semana pela Câmara em votação relâmpago comandada pelo presidente da Casa, Arthur Lira (Progressistas-AL). O texto está agora com o Senado.

Os deputados votaram sem o conhecimento do texto final e a publicação do impacto fiscal das medidas, ponto que tem trazido preocupação para os investidores do mercado financeiro. Analistas de bancos, consultorias e acadêmicos estão se debruçando na “matemática” do texto para calcular quem perde e quem ganha com o projeto.

Um dos problemas para o cálculo da reversão dos incentivos tributários é que ela poderá não produzir, automaticamente, um aumento de arrecadação nas proporções indicadas pela Receita.

Para a diretora da IFI Vilma Pinto, o estudo mostra dois pontos importantes: a necessidade de maior divulgação de dados tributários pelo Executivo e, de outro, o resultado potencialmente negativo derivado de propostas que alteram expressivamente um regime que funciona bem, o do Imposto de Renda.

Um dos dados que chamam atenção no relatório da IFI é a perda de arrecadação com a queda da alíquota do Imposto de Renda da Pessoa Jurídica (IRPJ).

Pelo projeto, a alíquota cai 7 pontos porcentuais, de 25% para 18%. Em 2022, a perda de arrecadação só com essa medida é de R$ 50 bilhões. Em 2023, o custo deve ser de R$ 53,1 bilhões, saltando para R$ 56,5 bilhões no ano seguinte.

A arrecadação com a taxação de dividendos no ano que vem foi estimada em apenas R$ 8,4 bilhões, passando para R$ 28,3 bilhões em 2023 e R$ 29,2 bilhões em 2024.

Receitas bem mais modestas do que se esperava com a volta dessa tributação depois de 25 anos por causa das concessões feitas pelo relator do projeto, Celso Sabino (PSDB-PA), que deu isenção para os dividendos pagos por empresas do Simples de lucro presumido (muito usado por profissionais liberais, como médicos, advogados e economistas) com faturamento de até R$ 4, 8 milhões.

Além disso, os deputados na votação final do projeto reduziram de 20% para 15% a alíquota que será cobrada sobre esses rendimentos pagos aos acionistas.

Autor

“O Estado de S. Paulo” é o mais antigo dos jornais da cidade de São Paulo ainda em circulação . Em 4 de janeiro de 1875, ainda durante o Império, circulava pela primeira vez “A Província de S. Paulo” – seu nome original.

Receba informações do mercado financeiro no seu celular gratuitamente

Compartilhe esse post nas suas redes!

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email

Você pode se interessar por

Publicidade

Leia também

Publicidade

Advertência

Declaramos que o Portal Acionista.com.br não se responsabiliza pelas informações divulgadas neste site e qualquer outro canal, tanto referente às matérias de produção própria , quanto matérias ou análises produzidas por terceiros ou reproduzidas de links autorizados, publicados nas nossas páginas a partir de uma seleção criteriosa, porém sem garantir sua integralidade e exatidão. Matérias e  análises produzidas por terceiros são de inteira responsabilidade dos mesmos. As informações, opiniões, sugestões, estimativas ou projeções referem-se a data presente e estão sujeitas à mudanças conforme as condições do mercado, sem prévio aviso. Informamos, ainda, que o Acionista.com.br não faz qualquer recomendação de investimento e que, portanto, não se responsabiliza por perdas, danos, custos e lucros cessantes decorrentes de operações financeiras de qualquer tipo, enfatizando que as decisões sobre investimentos são pessoais.
Importante lembrar sempre: ganhos passados, não são garantia de ganhos futuros.

Publicidade

Telegram Acionista

Os principais destaques do mercado! A melhor cobertura.

Esse site usa cookies para personalizar o conteúdo, propagandas e acompanhar o tráfego de acordo com os nossos Termos de Uso e Política de Privacidade.