Publicidade
Publicidade
Publicidade

Gleisi defende mudança na Lei das Estatais proposta pelo governo e Congresso

Data da publicação

“O Estado de S. Paulo” é o mais antigo dos jornais da cidade de São Paulo ainda em circulação . Em 4 de janeiro de 1875, ainda durante o Império, circulava pela primeira vez “A Província de S. Paulo” – seu nome original.

Data da publicação

A presidente nacional do PT, Gleisi Hoffmann (PR), disse nesta quarta-feira, 22, que concorda em discutir mudanças na Lei das Estatais, como proposto pelo governo do presidente Jair Bolsonaro. No plenário da Câmara, a deputada disse que a legislação “criminaliza” a política ao impedir que líderes partidários sejam indicados como diretores das empresas públicas.

Como mostrou o Estadão/Broadcast, sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado, lideranças da oposição disseram ao presidente da Câmara, Arthur Lira (Progressistas-AL), que pode haver acordo para mudar a Lei das Estatais. O movimento, defendido pela base do governo, faz parte da pressão do mundo político sobre a Petrobras após a estatal anunciar, na semana passada, novo aumento nos preços dos combustíveis.

Publicidade

“A única coisa que eu vi que eu acho que tem valor para a gente discutir aqui, que foi uma proposta até da base do governo, é a mudança na Lei das Estatais. Eu concordo com isso, porque nós fomos contra a mudança que eles fizeram na Lei das Estatais na época do (ex-presidente Michel) Temer, porque criminalizaram a política”, disse Gleisi.

A Lei das Estatais proíbe que sejam indicados para a diretoria ministros, secretários de Estado, dirigentes sindicais e de partidos políticos, além de indivíduos que tenham participado da estruturação de campanhas eleitorais nos três anos anteriores à indicação. “Não pode ser político, não pode ser líder de partido, como se ser político fosse crime”, afirmou Gleisi.

A presidente do PT, contudo, reforçou que o partido é contrário à abertura de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) contra a Petrobras, como articulado pelo PL, partido de Bolsonaro.

“A questão dos preços da Petrobras é uma vergonha. Como pode um presidente da República ficar brigando com uma empresa estatal? criminalizando a empresa estatal, como se ele não tivesse nada a ver com isso, como se a Petrobras não fosse majoritariamente do governo, que tem a maioria das ações”, disse.

Autor

“O Estado de S. Paulo” é o mais antigo dos jornais da cidade de São Paulo ainda em circulação . Em 4 de janeiro de 1875, ainda durante o Império, circulava pela primeira vez “A Província de S. Paulo” – seu nome original.

Receba informações do mercado financeiro no seu celular gratuitamente

Compartilhe esse post nas suas redes!

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email

Você pode se interessar por

Publicidade

Leia também

Publicidade

Advertência

Declaramos que o Portal Acionista.com.br não se responsabiliza pelas informações divulgadas neste site e qualquer outro canal, tanto referente às matérias de produção própria , quanto matérias ou análises produzidas por terceiros ou reproduzidas de links autorizados, publicados nas nossas páginas a partir de uma seleção criteriosa, porém sem garantir sua integralidade e exatidão. Matérias e  análises produzidas por terceiros são de inteira responsabilidade dos mesmos. As informações, opiniões, sugestões, estimativas ou projeções referem-se a data presente e estão sujeitas à mudanças conforme as condições do mercado, sem prévio aviso. Informamos, ainda, que o Acionista.com.br não faz qualquer recomendação de investimento e que, portanto, não se responsabiliza por perdas, danos, custos e lucros cessantes decorrentes de operações financeiras de qualquer tipo, enfatizando que as decisões sobre investimentos são pessoais.
Importante lembrar sempre: ganhos passados, não são garantia de ganhos futuros.

Publicidade
Publicidade

Telegram Acionista

Os principais destaques do mercado! A melhor cobertura.

Esse site usa cookies para personalizar o conteúdo, propagandas e acompanhar o tráfego de acordo com os nossos Termos de Uso e Política de Privacidade.