Gigantes de tecnologia são postas em xeque em depoimento histórico nos EUA

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
A indústria de tecnologia viveu ontem um momento histórico, com o depoimento simultâneo de Jeff Bezos, Sundar Pichai, Tim Cook e Mark Zuckerberg no Congresso dos EUA. Presidentes das gigantes Amazon, Google, Apple e Facebook, respectivamente, eles tiveram de responder a perguntas sobre concorrência desleal, aquisições, uso de dados de clientes e até mesmo hidroxicloroquina, em uma sessão que durou quase seis horas.

Mais do que isso, viram seus modelos de negócios serem postos em xeque, no que pode ser o princípio de uma mudança significativa no status quo de quatro das cinco maiores empresas do setor no mundo, com valor de mercado conjunto que beira os US$ 5 trilhões.

Realizado pelo comitê antitruste da Câmara dos Deputados, o depoimento foi o ponto culminante de uma investigação que já dura 13 meses e amealhou 1,3 milhão de documentos. Parte deles, revelada ontem, pode mudar dramaticamente o Facebook: um conjunto de e-mails de Mark Zuckerberg mostra que, antes de adquirir o Instagram, ele via o app como um competidor e, por isso, decidiu comprá-lo por US$ 1 bilhão.

“O Instagram pode nos causar dano”, escreveu Zuckerberg ao diretor financeiro do Facebook na época. Durante a sessão, Zuckerberg reafirmou essa visão e concedeu o mesmo status de rival ao WhatsApp, comprado pela empresa em 2014 por US$ 19 bilhões. Feita sob juramento, a afirmação pode colocar o Facebook em problemas, uma vez que comprar um competidor direto pode contrariar a lei de antitruste americana. “A aquisição do Instagram pelo Facebook se enquadra no que as leis foram desenhadas para prevenir. É algo que não poderia ter sido aprovado”, disse o deputado democrata Jerry Nadler, de Nova York.

Zuckerberg respondeu que a aquisição não enfrentou oposição na época. Hoje, porém, o cenário mudou: o órgão está analisando ativamente aquisições feitas na área de tecnologia e pode chegar a uma nova conclusão, revertendo as transações e transformando Instagram e WhatsApp em empresas separadas.

Em um dos momentos mais tensos, a deputada Pramila Jayapal perguntou se Zuckerberg tentou clonar um produto de um rival após não conseguir comprá-lo, em referência ao Snapchat, cujas funções de mensagens efêmeras apareceram no WhatsApp e no Instagram. Zuckerberg negou, afirmando que “adaptou funções criadas por outros”. A deputada respondeu: “Lembre-se que você está sob juramento”, dando a entender que ele estaria mentindo.

Dados

Outro tema bastante presente durante o julgamento foi o do uso, pelas quatro gigantes, de dados de consumidores e concorrentes para influenciar seus negócios. A Amazon, por exemplo, foi acusada de usar dados de parceiros que usam sua plataforma para determinar que tipo de produtos a gigante deve desenvolver.

Na sessão, Jeff Bezos disse que a empresa tem uma política para prevenir isso, mas não pôde garantir à deputada Jayapal que a prática nunca tenha sido violada. O homem mais rico do mundo, com fortuna de US$ 180 bilhões, admitiu que constantemente vende sua caixa de som conectada, Amazon Echo, abaixo do preço de produção, e que a assistente de voz da empresa, Alexa, direciona consumidores para produtos da própria Amazon, duas atitudes que poderiam ser caracterizadas como concorrência desleal.

Sundar Pichai, do Google, também teve de responder a acusações sobre uso de dados de competidores. O democrata David Cicilline, presidente da comissão, citou e-mails empregados do Google discutindo sobre sites que estavam crescendo em tráfego. Segundo o democrata, os empregados “temiam que a competição vinda de certos sites pudessem reduzir a receita da empresa” e consideraram reduzir sua presença nos resultados da busca da empresa.

Com presença mais discreta, Tim Cook, da Apple, respondeu a questões sobre o poder da App Store, loja de aplicativos do iPhone – que cobra de alguns aplicativos comissão de até 30% sobre os pagamentos feitos por usuários. Na sessão, Cook ressaltou que a empresa veta apps para cuidar da privacidade e segurança de usuários.

Empresas chinesas, como Tencent e Alibaba, também foram citadas nos depoimentos. Quem levantou a bola foi Zuckerberg, que hoje disputa espaço com o app chinês TikTok. O líder do Facebook defendeu que regular empresas americanas daria fôlego às rivais chinesas, que não se pautam por valores “americanos”, como democracia, livre concorrência e liberdade de expressão.

Cloroquina

Os executivos também tiveram de falar hidroxicloroquina. Greg Steube, da Flórida, reclamou de não poder ver um vídeo sobre médicos falando que a hidroxicloroquina seria um tratamento válido para o coronavírus. Sundar Pichai disse que o YouTube segue orientações das autoridades de saúde para remover conteúdo que pode causar danos a quem assisti-lo, já que não há comprovação de que o medicamento tem eficiência contra a covid-19.

Já Jim Jordan, de Ohio, chegou a fazer Pichai prometer que não vai favorecer o democrata Joe Biden contra o candidato de seu partido, Donald Trump. Na sequência, a deputada democrata Mary Gay Scanlon, da Pensilvânia, disse que iria voltar ao debate econômico e não de “teorias conspiratórias”.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Receba conteúdos diariamente por e-mail

Estadão Conteúdo

Estadão Conteúdo

"O Estado de S. Paulo" é o mais antigo dos jornais da cidade de São Paulo ainda em circulação . Em 4 de janeiro de 1875, ainda durante o Império, circulava pela primeira vez "A Província de S. Paulo" - seu nome original.

Você pode se interessar por

Publicidade

Receba notícias pelo Telegram

Leia também

Tire dúvidas sobre investimentos

Últimas atualizações sobre

Advertência

Declaramos que o Portal Acionista.com.br não se responsabiliza pelas informações divulgadas neste site e qualquer outro canal, tanto referente às matérias de produção própria , quanto matérias ou análises produzidas por terceiros ou reproduzidas de links autorizados, publicados nas nossas páginas a partir de uma seleção criteriosa, porém sem garantir sua integralidade e exatidão.
Matérias e  análises produzidas por terceiros são de inteira responsabilidade dos mesmos. As informações, opiniões, sugestões, estimativas ou projeções referem-se a data presente e estão sujeitas à mudanças conforme as condições do mercado, sem prévio aviso.
Informamos, ainda, que o Acionista.com.br não faz qualquer recomendação de investimento e que, portanto, não se responsabiliza por perdas, danos, custos e lucros cessantes decorrentes de operações financeiras de qualquer tipo, enfatizando que as decisões sobre investimentos são pessoais.
Importante lembrar sempre: ganhos passados, não são garantia de ganhos futuros.

Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com os nossos Termos de Uso e Política de Privacidade e, ao continuar navegando neste site, você declara estar ciente dessas condições.