Fundos de renda fixa registram melhor captação líquida do ano

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tweet
Compartilhar no linkedin
Publique
Compartilhar no whatsapp
Encaminhe
Compartilhar no email
Envie

Newsletter

Receba notícias por Whatsapp

Receba notícias pelo Telegram

Proventos

Em agosto, os fundos de renda fixa registraram a melhor captação líquida mensal positiva de 2020, totalizando R$ 44,5 bilhões. De acordo com dados da ANBIMA (Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais), o montante é maior que todos os meses do ano, inclusive janeiro e fevereiro, antes do início da pandemia de Covid-19.

A classe de renda fixa correspondeu a 67% do total captado pela indústria no mês, que foi de R$ 66,5 bilhões – diferença entre os R$ 728,6 bilhões aplicados e R$ 662,1 bilhões sacados pelos investidores no período. No ano, os fundos ainda mantêm resgates líquidos de R$ 4 bilhões.

“Desde maio, a classe de renda fixa dá indícios de recuperação. Os movimentos de agosto só confirmam o previsto: os efeitos da crise estão se atenuando e teremos uma retomada gradual e, o mais importante, consistente”, afirma Carlos André, vice-presidente da ANBIMA.

Os fundos multimercados e de ações repetiram o bom desempenho dos demais meses em agosto, com captações líquidas positivas de R$ 17,1 bilhões e R$ 4,4 bilhões, respectivamente. O tipo livre (não tem compromisso de concentração em nenhuma estratégia específica) das duas classes foi destaque com a melhor captação. Nos multimercados, ele correspondeu a 53% do total captado no mês, enquanto nos fundos de ações representou 62%.

“Mesmo com os efeitos da pandemia, os investidores mantiveram a estratégia de busca por retorno, assumindo mais risco. Prova disso são as captações das classes de ações e multimercados no ano, que superaram os números registrados em 2019. Esse movimento mostra maior educação financeira dos brasileiros e confiança na indústria”, afirma Carlos André.

Rentabilidades

Os fundos investimento no exterior, que podem aplicar mais de 40% do seu patrimônio líquido em ativos lá fora, registraram os maiores retornos no mês na classe de multimercados, totalizando 2,1%. Nos fundos de renda fixa, o tipo de dívida externa (investe, no mínimo, 80% do patrimônio líquido em papéis da dívida externa) teve rentabilidade de 5,3% Quase todos os tipos dos fundos de ações acompanharam a queda do Ibovespa de 2,7% e tiveram retornos negativos. O destaque foi o tipo investimento no exterior, que teve variação de 0,64%.

(MR – Agência Enfoque)

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Publicidade

Leia também

Destaques da bolsa ativos durante o pregão - das 10h as 17h - Fonte: Google Finance - delay aprox. de 20 min.

*Dados inativos fora do horário do pregão.

Por: Nelson Tucci

Toda segunda-feira

Por: Nelson Tucci

Toda segunda-feira