Publicidade
Publicidade
Publicidade

Fala-se em Metaverso e geração Z, mas pouco se faz pelo aqui e agora na Comunicação

Data da publicação

Categoria

Repórter em veículos como Folha de S.Paulo e O Estado de S.Paulo, atuou também como apresentador do programa ECO Negócios, na ECO TV. É MBA em Comunicação e Relações com Investidores e diretor na Virtual Comunicação.

Categoria

Data da publicação

(*) Anselmo Ferreira

O retorno de uma guerra, que acontece entre a Rússia e a Ucrânia, no cenário internacional e a polarização política diante da eleição para à presidência da República, no plano interno, figuram como dois fatores, que por si só influenciam a combalida economia brasileira, sempre oscilante entre situações de altas e baixas nas atividades comerciais e industriais e de serviços.

Dentro deste aspecto, cito na área de serviços de minha atuação, a comunicação, um segmento há anos em crescimento, mas que no momento sofre a influência direta destas indefinições, bem como tropeça nas suas próprias origens semânticas entre o impresso, o presencial e o digital corroborando o comportamento e a gana da maioria dos clientes de aparecerem nas primeiras páginas do Google, a chegada do metaverso, o ter de agradar a uma tal de geração Z, as plataformas que se inventam todos os dias e a profusão das mídias digitais.

Tudo isso somado à situação econômica tornam-se fatores complicados para quem trabalha com a comunicação corporativa, bem como a ocorrência de fatores intrínsecos aos profissionais que cuidam dessa área nos departamentos de comunicação, propaganda e marketing dessas empresas, que convivem com o excesso de tarefas a executar para os mais diferentes departamentos de suas organizações, pois os profissionais responsáveis por estas tarefas nessas companhias – muito capazes por sinal -, vivem atropelados de trabalho e “presos” aos meios e parâmetros internos e estratégias, que se avolumam a cada dia.

Com isso deixam de promover, de fato, aquilo para o qual deveria ser a sua função inequívoca: propagar o nome da empresa no mercado (marketing, propaganda e vendas), fazendo com o qual, as marcas que defendem e os empregam sejam cada vez mais conhecidas, admiradas e intrinsecamente, geradoras de negócios e lucros. Por isso mesmo, acabam por atrapalhar o brand e geram dificuldades adicionais à governança corporativa.

Na mesma linha para os que trabalham com a difusão de informações e boas práticas no trabalho (Endomarketing), poderiam perfeitamente dispor de maior tempo para propor novas campanhas, que fugissem do lugar comum e promovessem ainda mais o bem-estar dos colaboradores. Mais ações propositivas certamente geram mais negócios… Esta é a lógica da comunicação.

Essas duas práticas de profissionais de comunicação poderiam muito bem, simplesmente, se aliar às agências de comunicação de vários portes, experiência, comprometimento e valores, que podem se tornar parceiras em soluções e buscarem o desatrelamento emanado diariamente pelo mercado gerando foco e conteúdo diferenciado.  

(*) Anselmo Ferreira é CEO da Unit Comunicação, jornalista e mestre em Comunicação pela Cásper Libero.

Autor

Repórter em veículos como Folha de S.Paulo e O Estado de S.Paulo, atuou também como apresentador do programa ECO Negócios, na ECO TV. É MBA em Comunicação e Relações com Investidores e diretor na Virtual Comunicação.

Receba informações do mercado financeiro no seu celular gratuitamente

Compartilhe esse post nas suas redes!

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email

Você pode se interessar por

Publicidade

Leia também

Publicidade

Advertência

Declaramos que o Portal Acionista.com.br não se responsabiliza pelas informações divulgadas neste site e qualquer outro canal, tanto referente às matérias de produção própria , quanto matérias ou análises produzidas por terceiros ou reproduzidas de links autorizados, publicados nas nossas páginas a partir de uma seleção criteriosa, porém sem garantir sua integralidade e exatidão. Matérias e  análises produzidas por terceiros são de inteira responsabilidade dos mesmos. As informações, opiniões, sugestões, estimativas ou projeções referem-se a data presente e estão sujeitas à mudanças conforme as condições do mercado, sem prévio aviso. Informamos, ainda, que o Acionista.com.br não faz qualquer recomendação de investimento e que, portanto, não se responsabiliza por perdas, danos, custos e lucros cessantes decorrentes de operações financeiras de qualquer tipo, enfatizando que as decisões sobre investimentos são pessoais.
Importante lembrar sempre: ganhos passados, não são garantia de ganhos futuros.

Publicidade

Telegram Acionista

Os principais destaques do mercado! A melhor cobertura.

Esse site usa cookies para personalizar o conteúdo, propagandas e acompanhar o tráfego de acordo com os nossos Termos de Uso e Política de Privacidade.