Energia Limpa, ecocídio & lobbies

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email

Ou os habitantes deste lindo e outrora bucólico planeta param de cometer o ecocídio e cuidam efetivamente de manter uma postura ética em relação aos recursos naturais do planeta, promovendo a redução drástica das emissões de Gases do Efeito Estufa –  inclusive e principalmente! –, ou daqui a pouco não vai dar mais tempo. E pense nisto também: vai adiantar pouco você fechar a torneira para escovar os dentes se a população mundial crescer 1 bilhão a cada 12 anos. Com estatísticas, balanços e discursos enganam-se pessoas, não a natureza – a coisa mais pragmática que existe.    

Para consertar o acúmulo de bobagens que temos feito nos últimos tempos a tarefa é gigantesca. Não há passe de mágica que resolva, mas planejamento. É preciso avançarmos além do acordo de Paris (de 2015) e iniciarmos o processo de recuperação ambiental – e social – de forma imediata. “Descarbonizar o planeta” parece o caminho. A concentração de Gases do Efeito Estufa (GEE) era inferior a 300 ppm (partes por milhão) no início do Século XX, calcula a NASA, enquanto hoje o nível está em 411 ppm (com todos os solavancos econômicos ocorridos desde o final do século anterior). Para quem estuda o assunto, a curva de Keeling ajuda a enxergar melhor o estrago.

Enquanto as lideranças internacionais não têm a necessária coragem de colocar a questão da natalidade na pauta, ainda que seja para uma discussão preliminar, há que se considerar a matriz energética das principais economias (ao menos estas). Aí sim temos expertise nas conversações: reduzir/eliminar a queima de combustíveis fósseis é tarefa urgente. E isto não pode depender de um governo negacionista aqui ou acolá, tentando justificar as aceleradas mudanças climáticas como algo “cíclico e natural”. Também não dá para vincular o fornecimento de gás natural a todo um continente aos humores do vendedor, a fim de substituir a queima de carvão.

O Brasil, que tanta penaliza a sua rica mata (e assim dá a sua contribuição de emissão de carbono, via incêndios), tem por outro lado uma boa matriz energética. Segundo a Empresa de Pesquisa Energética (EPE), o país consome 83% de energia de fontes renováveis (sendo mais de 2/3 de usinas hidrelétricas) enquanto a média mundial é de 14%, com o uso do carvão absurdamente exagerado nos campeões mundiais de GEE: China e Estados Unidos. Visto de forma separada, o bloco da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) tem apenas 9,7% da matriz energética renovável.

O momento, no entanto, é mais de atenção que comemoração abaixo da linha do Equador. Isto porque o ministro das Minas e Energia, almirante Bento Albuquerque, defende a reativação da chamada indústria carbonífera (instalada, basicamente, na região Sul). Ano passado deveriam ter ocorrido dois leilões no setor (A-4 e A-5), mas a pandemia brochou a iniciativa do imbrochável governo, como diz o seu chefe maior.

Em tempo: de cada 10 painéis solares produzidos no mundo, seis têm o carimbo “Made in China”. Alto lá, não se deixe levar pelo entusiasmo, porque a mesma China que até 2050 terá o dobro dos painéis solares instalados nos Estados Unidos, somente no primeiro semestre de 2020 aprovou projetos de novas usinas a carvão que somam aproximadamente 17 GW. Com isto a capacidade total é de 249 GW no gigante asiático. Considerado o maior vilão dos carbonos na atmosfera, o carvão tem participação de 4% a 5% na matriz brasileira, 13% nos Estados Unidos, 35% na Alemanha e 72% na China.  

Parafraseando os antigos que gostavam de lançar ditos populares: é fundamental termos um olho no peixe e outro no gato.

CONVERSÃO

A Ambev está convertendo 102 caminhões com motor a diesel em elétricos. Testado desde o ano passado, em dois veículos, o modelo deu certo. A parceria da Ambev é formada com a Enel X (divisão da distribuidora de mesmo nome, que atua em soluções de energia) e a Eletra (fabricante de ônibus elétricos).   

Segundo os testes, os convertidos emitem 0,5% kg de CO2 por viagem, o que se considera emissão zero. O consumo médio é de  1 kWh por KM. Na ponta do lápis, é uma economia superior a 70% em relação ao modelo movido a combustível fóssil.  

ALGO MAIS

“Qualidade e preço não são mais os únicos atrativos na decisão de compra” – disse Eduardo Lacerda, CEO da Ambev Brasil, sobre sustentabilidade. E acrescentou uma importante informação: hoje 50% dos empregados da companhia são negros. “Quero trazer o tema responsabilidade social para a pauta, pois todos precisamos evoluir”.

Ao lado de Gustavo Estrella (CEO da CPFL), João Paulo Ferreira (presidente da Natura&Co na América Latina) e Walter Schalka  (CEO da Suzano), ele participou do debate “Sustentabilidade das empresas no período pós-pandemia”, pilotado pelo jornalista Fernando Rodrigues, do Poder 360.

RENOVÁVEL

No mesmo evento (acima), Gustavo Estrella classificou o consumidor hoje de mais exigente, ligado na questão do carbono e energia renovável, entre outros. “Nosso mercado vive uma profunda transformação”, constatou.

O colega JP Ferreira, depois de destacar os capitais social, humano e ambiental, enfatizou: “É mais importante gastar do que falar”. De outro lado, Schalka tratou de falar sobre árvores e suas múltiplas utilidades e pregou atitudes imediatas para a reversão das mudanças climáticas.

RISCOS

TCFD e Gestão de Riscos Climáticos é a temática da webinar que a Associação Brasileira das Companhias Abertas (Abrasca) promoverá no próximo dia 17.  

Sigla em inglês da Força-Tarefa sobre Divulgações Financeiras Relacionadas ao Clima, o TCFD será debatido por Guilherme Teixeira e Tatiana Assali, da Sitawi Finanças do Bem, tendo a advogada Caroline Prolo como mediadora. Ideia é mostrar que uma gestão de clima bem feita pode agregar valor e, assim, atrair investidores para o negócio.

INVESTIMENTOS

A CPFL contabilizou investimentos totais de R$ 236,9 milhões durante o ano de 2020 nos Programas P&D e de Eficiência Energética. Ambos regulados pela Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL).

Destes, R$ 164 destinaram-se à eficiência energética (como CPFL nos Hospitais, Bônus Geladeira e Projetos de baixa renda) e R$ 72,9 milhões em 48 projetos de desenvolvimento de tecnologia e inovação. 

HOSPITAL

O governo do Maranhão fez parceria com a Suzano e inaugurou, na semana anterior, hospital de campanha com 60 leitos, sendo 10 de UTI. Trata-se de mais um esforço no combate à Covid-19.

A companhia investiu R$ 2,8 milhões na estrutura do hospital e, adicionalmente, doou 233.280m3 de oxigênio. Desde o início da pandemia, a Suzano cedeu 32 respiradores, 70 mil máscaras, 50 mil litros de álcool, fardos de papel higiênico e fraldas descartáveis.

Agora a manutenção e operacionalização da nova unidade está por conta do governo estadual.

CDP

O CDP América Latina, escritório regional do CDP Global, organização internacional sem fins lucrativos que mede o impacto ambiental de empresas e governos de todo o mundo, comunica mudanças em sua direção. A executiva Rebeca Lima, até então Gerente Sênior de Corporações e Cadeias de Suprimento da instituição, assume o posto de diretora executiva do CDP América Latina.

Formada em engenharia florestal e mestranda em Finanças e Economia, Rebeca está há quase cinco anos no CDP América Latina e possui experiência em sustentabilidade, gestão corporativa de questões ambientais, sociais e de governança (ESG), estratégias de mitigação e adaptação às mudanças climáticas, mercado de carbono, política climática e investimentos responsáveis na América Latina. Ela substitui Lauro Marins, que esteve durante sete anos no CDP.

ENERGIA

A Associação Brasileira dos Comercializadores de Energia (Abraceel) elegeu novo Conselho de Administração para o biênio 2021-2023. O evento foi realizado de forma virtual e reelegeu Ricardo Lisboa como presidente.

Fazem parte do novo órgão: Ricardo Lisboa (Delta), Paulo Tarso (Vivaz), Alessandro de Brito Cunha (BC), Daniel Marrocos (Newcom), Eduardo Diniz (Votorantim Energia), Camila Schoti (Eneva), Paulo Toledo (Ecom) e Ricardo Motoyama (CPFL Soluções).

UNIVERSIDADE

O Grupo Dimed lança a sua Universidade Corporativa (Uni.D), a fim de potencializar a capacitação de seus 6 mil funcionários, nos vários níveis.

Para iniciar o projeto serão instaladas quatro escolas: Lideranças, Farma, Vendas e Processos.     

MULHERES

O IRB-Brasil Resseguros foi certificado pela Women on Board (WOB), associação que reúne um grupo de executivas, conselheiras, advogadas e empresárias engajadas na promoção da mulher a postos com tomada de decisão. A companhia recebeu um selo por contar duas mulheres em seu Conselho de Administração: a ex-ministra (e primeira mulher presidente do STF) Ellen Gracie Northfleet e a ex-CEO da S&P Global Ratings no Brasil e na Argentina, Regina Helena Jorge Nunes.

A entidade foi criada em 2019, com o apoio da ONU Mulheres, e já certificou 27 empresas de capital aberto, fechado e organizações no Brasil. 

SEGUROS

Em meio ao mar de incertezas, de 2020, a Generali apresentou resultado positivo pelo segundo ano consecutivo e aposta em uma política mais agressiva de dividendos (proposta por ação de 1,47 euros, dividida em duas parcelas de 1,01 euros e 0,46 euros, respectivamente), absorvida pelos investidores. O resultado operacional foi de 5,2 bilhões de euros, com um total bruto de prêmios de 70,7 bilhões de euros.

FERROVIA

A Ferrovia Centro-Atlântica (FCA), controlada pela VLI, anunciou o balanço operacional relativo ao ano de 2020 com números positivos. Segundo a companhia, o resultado indica o aumento na eficiência dos processos, resultantes dos investimentos aportados pela controladora ao longo dos últimos anos.

No ano passado a companhia movimentou 39,08 milhões de toneladas, contra 35,95 milhões no ano anterior – representando crescimento de 8,6 % no período. Se comparado o período entre 2016 e 2020, o fluxo de cargas cresceu 28,8%. A receita líquida destas operações saltou de R$ 2,41 bilhões em 2019 para R$ 2,68 bilhões em 2020, com alta de 11%.

SILÊNCIO

A M. Dias Branco entra em período de silêncio a partir deste dia 16, e até dia 31, quando fará sua teleconferência de resultados do 4T20.

A webcast, com investidores, ocorrerá em 1º de abril.

EMBRAER

A Embraer, que entrou no quiet period no dia 8 último, anuncia para o dia 19 próximo a sua divulgação de resultados do 4T20.

BRA 21

O Banco Bradesco anuncia a divulgação de resultado do 1T21 para o próximo dia 4 de maio.

POUP

A rentabilidade da poupança, descontada a inflação (IPCA), no mês de fevereiro foi negativa em 3,21%. De acordo com a Economática, desde setembro de 2003 não se via tamanho tombo.

O Ibovespa rendeu 0,41 % dos 12 últimos meses mas perdeu 5,19% no mês de fevereiro último.

ARTIGO

ESG: muito além de siglas

(*) Marcelo Bacci

A questão ESG – Environmental, Social and Governance – ganhou espaço fixo na agenda do mercado financeiro. Importantes empresas em todo o mundo têm atualizado seus modelos de atuação e seus propósitos corporativos, incorporando a eles compromissos que extrapolam a antiga visão voltada aos acionistas. Hoje, o valor das empresas está diretamente relacionado aos compromissos que elas assumem com colaboradores, clientes, fornecedores e demais públicos de relacionamento, sempre com um olhar à contribuição que está sendo construída para as futuras gerações.

Como sabemos, o conceito não é novo e a sigla já está bem conhecida no mercado. Mas por que só agora as estamos vendo por toda a parte? A resposta pode ser dividida entre percepções imediatas e de longo prazo. A pandemia colaborou para acelerar esse processo, porque tivemos que alterar a nossa visão em relação aos cuidados com o planeta e seus moradores. Neste cenário, as mudanças no perfil do investidor também passaram por um processo de transformação ainda mais acelerado. O olhar vai além do lucro e prioriza a contribuição para sociedade e para o meio ambiente, assim como a perenidade do negócio diante de incertezas. Afinal, quem imaginava, ao celebrar o início de 2020, que enfrentaríamos semanas depois o início de uma pandemia global?

Já quando pensamos no olhar de longo prazo, é natural que as empresas que desejem estar alinhadas às tendências de mercado se adaptem ao perfil de seus clientes, parceiros e, obviamente, do investidor. Segundo a pesquisa de Morgan Stanley, 86% dos millennials se interessam por investimento sustentável, ou seja, investimento com propósito é um bom negócio. As companhias que adotam práticas sustentáveis geram valor a longo prazo para o acionista, pois demonstram estar mais preparadas para enfrentar riscos econômicos, sociais e ambientais.

Na Suzano, maior fabricante de celulose do mundo, seguimos o direcionador de cultura de que “Só é bom para nós se for bom para o mundo”. Essa frase está intrínseca em todas as nossas iniciativas e exemplifica como praticamos o ESG no dia a dia. Cito como exemplo a emissão de Sustainability-linked bonds, títulos de dívida atrelados a metas de sustentabilidade, até então inéditos nas Américas. Realizamos duas emissões em 2020 e, como resultado, ampliamos a participação de investidores focados em ESG em nossa base acionária e alcançamos a menor taxa de juros para uma emissão de 10 anos na história do Brasil. Ou seja, há um vasto mercado a ser explorado e a demanda por esses títulos comprova a grande aceitação dos investidores a este tipo de papel e a crescente conexão entre finanças e ESG.

O modelo de negócio associado à responsabilidade social contribui também para a credibilidade da reputação da empresa. De acordo com o relatório da BoF & McKinsey, há uma estimativa que 60% dos millennials consomem marcas que possuem forte responsabilidade social e ambiental. Estamos lidando com um público que debate o consumismo, condena a degradação ambiental e luta cada vez mais por justiça social e, por essa razão, se quisermos que essa geração consuma nossos produtos, precisamos compartilhar dos mesmos valores.

E é neste ponto que as percepções de curto (pandemia) e longo (novo olhar dos investidores) prazos, citadas anteriormente, se conectam. O investidor é também um consumidor, e esse consumidor pode ser também o acionista da empresa. Ou seja, o ESG se sustenta em um caminho que é único e sem volta, assim como já foram no passado os cuidados das empresas com a qualidade ou com as boas práticas com seus funcionários ou colaboradores.

Para a conquista de credibilidade junto aos consumidores e stakeholders, fazem-se necessários transparência e estabelecimento de metas atingíveis. A história da companhia tem que fazer jus às suas promessas ou será facilmente acusada de greenwashing (em inglês, lavagem verde), uma propaganda sustentável enganosa que poderá tornar a empresa alvo de uma crise de imagem. E, como sabemos, a análise dessas práticas acontece por um número cada vez maior de pessoas mais engajadas no tema, o que é ótimo.

O momento histórico que vivemos – uma pandemia de escala mundial e um País que atinge o recorde diários de mortes – nos mostra que nada mais será como antes. E as empresas que sobreviverão serão aquelas que assumirem o papel de agentes de transformação em direção a um mundo cada vez mais ESG.

(*) Marcelo Bacci é Diretor Executivo de Finanças, de Relações com Investidores e Jurídico da Suzano.

Se inscreva para ser notificado quando um novo post for publicado.

Além de diversos conteúdos do mercado financeiro em um lugar para você ler, comparar e decidir.

Nelson Tucci

Nelson Tucci

Repórter em veículos como Folha de S.Paulo e O Estado de S.Paulo, atuou também como apresentador do programa ECO Negócios, na ECO TV. É MBA em Comunicação e Relações com Investidores e diretor na Virtual Comunicação.

Você pode se interessar por

Publicidade

Receba notícias pelo Telegram

Leia também

Tire dúvidas sobre investimentos

Últimas atualizações sobre

Advertência

Declaramos que o Portal Acionista.com.br não se responsabiliza pelas informações divulgadas neste site e qualquer outro canal, tanto referente às matérias de produção própria , quanto matérias ou análises produzidas por terceiros ou reproduzidas de links autorizados, publicados nas nossas páginas a partir de uma seleção criteriosa, porém sem garantir sua integralidade e exatidão.
Matérias e  análises produzidas por terceiros são de inteira responsabilidade dos mesmos. As informações, opiniões, sugestões, estimativas ou projeções referem-se a data presente e estão sujeitas à mudanças conforme as condições do mercado, sem prévio aviso.
Informamos, ainda, que o Acionista.com.br não faz qualquer recomendação de investimento e que, portanto, não se responsabiliza por perdas, danos, custos e lucros cessantes decorrentes de operações financeiras de qualquer tipo, enfatizando que as decisões sobre investimentos são pessoais.
Importante lembrar sempre: ganhos passados, não são garantia de ganhos futuros.

Fique por dentro

Se inscreva para ser notificado quando um novo post for publicado.

Além de diversos conteúdos do mercado financeiro em um lugar para você ler, comparar e decidir.

Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com os nossos Termos de Uso e Política de Privacidade e, ao continuar navegando neste site, você declara estar ciente dessas condições.