Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tweet
Compartilhar no linkedin
Publique
Compartilhar no whatsapp
Encaminhe
Compartilhar no email
Envie

Newsletter

Receba notícias por Whatsapp

Receba notícias pelo Telegram

Pressionado por empresários e políticos, o vice-presidente da República, Hamilton Mourão, tentou sinalizar que o governo está alinhado com a demanda internacional para combater o desmatamento na Amazônia. O Conselho Nacional da Amazônia Legal, órgão chefiado por Mourão para dar respostas ao setor, porém, ainda não colocou apresentou resultados concretos que fossem satisfatórios aos apelos internos e de fora.

Questionado sobre a carta de empresários brasileiros divulgada na terça-feira, 7, na qual cobraram, do governo, maior compromisso com o meio ambiente, o vice-presidente afirmou que as demandas estão alinhadas com os objetivos do governo para a região amazônica. “Esse grupo tem mantido contato comigo há algum tempo e todos os pontos que estão colocados ali naquele documento vão ao encontro dos objetivos do Conselho da Amazônia. Então estamos fechados, juntos”, disse Mourão.

A reação dos empresários ocorre uma semana após um grupo de investidores estrangeiros apontar problemas na política do governo em relação à Amazônia. Presidentes de grandes empresas nacionais e estrangeiras e entidades setoriais protocolaram na vice-Presidência e no Conselho Nacional da Amazônia Legal, presidido por Mourão, comunicado em defesa da agenda do desenvolvimento sustentável e combate ao desmatamento na Amazônia.

O documento, antecipado pelo jornal Valor Econômico, traz a assinaturas de cerca de 40 companhias, grupos empresariais e entidades, que dizem estar preocupados com a repercussão negativa da imagem do Brasil no exterior. Eles pedem a “atenção e preocupação com o impacto nos negócios da atual percepção negativa da imagem do Brasil no exterior em relação às questões socioambientais na Amazônia”. “Essa percepção negativa tem um enorme potencial de prejuízo para o Brasil, não apenas do ponto de vista reputacional, mas de forma efetiva para o desenvolvimento de negócios e projetos fundamentais para o País”, diz.

A iniciativa partiu do Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável (CEBDS), presidido por Marina Grossi.

Na semana passada, um grupo formado por quase 30 fundos de investimento com US$ 3,7 trilhões exigiu que o Brasil freie o crescente desmatamento no País. Outro movimento veio do Congresso. O Senado aprovou pedido da oposição para convidar Mourão a explicar as ações do governo. A audiência pública será na próxima terça-feira, 14. O convite cita que o Brasil fechou o mês de junho com o maior número de focos de queimadas na região dos últimos 13 anos.

Capacidade

Para o presidente da Vedacit, Marcos Bicudo, a reação dos investidores estrangeiros pode ser uma oportunidade para o País mostrar que tem capacidade de combater o desmatamento. “A gente ainda não tem perdas contundentes, mas existem vários comunicados de grandes investidores com preocupação nesse sentido. Não se materializou, mas a gente quer evitar que chegue a esse ponto.”

A mensagem também foi entregue ao Supremo Tribunal Federal, Senado Federal, Câmara dos Deputados e na Procuradoria Geral da República (PGR).

Nos últimos dias, Mourão tem se esforçado para dizer que está em linha com empresários e governadores da região amazônica no combate ao desmatamento. A pressão sobre o governo para dar respostas em relação à Amazônia também recaiu sobre o presidente Jair Bolsonaro. Conforme o Estadão revelou, o chefe do Planalto vem sendo pressionado por auxiliares e parlamentares para substituir o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles. A condução da política ambiental de Salles é apontada como um empecilho para acordos comerciais bilaterais e, até mesmo, para que o País receba investimentos externos.

Questionado sobre os pontos de demanda da carta dos empresários, o gabinete da vice-presidência e o Ministério do Meio Ambiente não responderam à reportagem. (Colaborou Marlla Sabino)

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Publicidade

Leia também

Destaques da bolsa ativos durante o pregão - das 10h as 17h - Fonte: Google Finance - delay aprox. de 20 min.

*Dados inativos fora do horário do pregão.