Embraer e EDP fecham parceria para avião elétrico

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tweet
Compartilhar no linkedin
Publique
Compartilhar no whatsapp
Encaminhe
Compartilhar no email
Envie

Newsletter

Receba notícias por Whatsapp

Receba notícias pelo Telegram

A Embraer e a EDP Brasil fecharam parceria para desenvolver pesquisas de um avião elétrico. A EDP, multinacional portuguesa do setor elétrico, fará o investimento para aquisição de uma tecnologia de armazenamento de energia e recarga do avião. O protótipo – uma aeronave de pequeno porte Ipanema 203, utilizada no segmento agrícola – já está em desenvolvimento e tem o primeiro voo previsto para 2021.

Com a parceria, as empresas vão estudar a aplicabilidade de baterias de alta tensão para o sistema de propulsão elétrico de um avião, além de avaliar suas principais características de operação, como peso, eficiência e qualidade de energia, controle e gerenciamento térmico, ciclagem de carregamento, descarregamento e segurança de operação.

Segundo a fabricante de aviões, esse acordo é uma continuação do projeto de eletrificação aeronáutica iniciado em maio de 2019, quando a Embraer entrou em cooperação com a multinacional brasileira Weg, fabricante de motores elétricos. Na parceria firmada com a EDP, o escopo é a pesquisa em torno do armazenamento de energia de alta tensão, complementando os estudos que já estão em andamento na Embraer.

Em entrevista recente ao Estadão, o presidente da Embraer, Francisco Gomes Neto, afirmou que a companhia estava buscando parcerias para desenvolver novas tecnologias. Segundo o executivo, a empresa só voltará a fazer grandes investimentos sozinha quando sua situação financeira melhorar ou quando a crise causada pela pandemia da covid-19 arrefecer. O projeto de criação de um novo avião turboélice, que já havia sido anunciado, inclusive só sairá do papel se houver alguma parceria com financiador ou outra fabricante.

A Embraer teve em 2020 um de seus piores anos, com o impacto da crise da covid e com a desistência da Boeing da compra de 80% da divisão de aeronaves comerciais da brasileira.

Nesta semana, porém, a empresa teve um motivo para comemorar. Ela anunciou a venda de dois aviões cargueiros KC-390 Millenium para a Hungria. A aeronave é a maior já desenvolvida no Brasil e o governo húngaro foi o terceiro a comprar o produto, depois do brasileiro e do português.

Advertência

Declaramos que o Portal Acionista.com.br não se responsabiliza pelas informações divulgadas neste site e qualquer outro canal, tanto referente às matérias de produção própria , quanto matérias ou análises produzidas por terceiros ou reproduzidas de links autorizados, publicados nas nossas páginas a partir de uma seleção criteriosa, porém sem garantir sua integralidade e exatidão.
Matérias e  análises produzidas por terceiros são de inteira responsabilidade dos mesmos. As informações, opiniões, sugestões, estimativas ou projeções referem-se a data presente e estão sujeitas à mudanças conforme as condições do mercado, sem prévio aviso.
Informamos, ainda, que o Acionista.com.br não faz qualquer recomendação de investimento e que, portanto, não se responsabiliza por perdas, danos, custos e lucros cessantes decorrentes de operações financeiras de qualquer tipo, enfatizando que as decisões sobre investimentos são pessoais.
Importante lembrar sempre: ganhos passados, não são garantia de ganhos futuros.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email