Em encontro Ibero-Americano, Mourão reforça postura sobre proteção da Amazônia

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tweet
Compartilhar no linkedin
Publique
Compartilhar no whatsapp
Encaminhe
Compartilhar no email
Envie

Newsletter

Receba notícias por Whatsapp

Receba notícias pelo Telegram

Em encontro Ibero-Americano da Agenda 2030 do Poder Judiciário, o vice-presidente da República, Hamilton Mourão, buscou passar a imagem de que o Brasil está fazendo o dever de casa: falou do combate ao novo coronavírus, da eventual aprovação de reformas econômicas e da proteção da Amazônia. Mourão também indicou preocupação com a possível imposição de medidas protecionistas ao Brasil pela postura do País durante a pandemia e um receio “ainda maior” com as tensões entre China e Estados Unidos.

“Executamos medidas urgentes para conter o desmatamento e as queimadas e estamos construindo um planejamento para médio e longo prazos para a Amazônia Legal. O momento não poderia ser mais desafiador, a pandemia da covid-19 atinge severamente o nosso país, assim como as demais nações ibero-americanas. Infelizmente, o Brasil ultrapassou, no fim de semana passado, 100 mil pessoas mortas pela covid. São perdas irreparáveis que colocam toda a nação em luto”, disse Mourão no encontro, por videoconferência.

E emendou: “No plano externo, nos preocupa que a crise gerada pela pandemia seja utilizada como justificativa para a imposição de medidas protecionistas. Acompanhamos, com receio ainda maior, o acúmulo de tensões entre as duas principais potências econômicas do Planeta e seus possíveis efeitos desestabilizadores sobre o sistema internacional.”

O vice, que também preside o Conselho da Amazônia, destacou que o Brasil, ao fortalecer o compromisso com “parâmetros globais de sustentabilidade”, reforça o comprometimento com “o diálogo, o multilateralismo, a cooperação e o direito internacional”.

Ele disse, ainda, que o sucesso dos exportadores brasileiros do agronegócio depende da confiança dos mercados internacionais, e que o aumento de crimes ambientais deixa o País “vulnerável” para uma campanha “difamatória” no exterior, com barreiras comerciais que classificou como “injustificáveis”.

Mourão admitiu mais uma vez que o desmatamento na floresta amazônica será maior este ano do que no anterior. Se necessário, o vice voltou a falar que o governo pode manter a Garantia de Lei e da Ordem (GLO) na região amazônica até o fim de 2022.

O vice afirmou que o fortalecimento da política para a Amazônia “torna-se elemento essencial para reerguer e modernizar a economia”. “Cada vez mais as empresas brasileiras e as multinacionais que atuam no País são cobradas a apresentar melhores credenciais ambientais, sociais e de governança.”

Para Mourão, o Brasil enfrentará uma série de desafios para a retomada econômica, mas a postura do governo brasileiro pela promoção de reformas econômicas e pela abertura aos mercados externos posiciona o País de forma favorável. Ele destacou como prioridades as reformas tributária e administrativa no Congresso. “As reformas colocadas em curso buscam assegurar o controle do gasto público e o aumento da produtividade”, declarou.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Publicidade

Leia também

Destaques da bolsa ativos durante o pregão - das 10h as 17h - Fonte: Google Finance - delay aprox. de 20 min.

*Dados inativos fora do horário do pregão.

Por: Nelson Tucci

Toda segunda-feira

Por: Nelson Tucci

Toda segunda-feira