Em 9º movimento de alta, poupança tem captação líquida de R$ 1,480 bi em novembro

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tweet
Compartilhar no linkedin
Publique
Compartilhar no whatsapp
Encaminhe
Compartilhar no email
Envie

Newsletter

Tire dúvidas sobre investimentos

Receba notícias pelo Telegram

Em meio ao processo de recuperação da economia, na esteira da pandemia do novo coronavírus, as famílias brasileiras fizeram mais depósitos do que saques na caderneta de poupança no mês passado. Dados do Banco Central mostram que, em novembro, os depósitos líquidos somaram R$ 1,480 bilhão.

O mês de novembro foi o nono consecutivo em que houve registro de depósitos líquidos. Em março, quando a pandemia do novo coronavírus fez com que o isolamento social se intensificasse, com reflexos sobre a atividade econômica, as famílias haviam depositado R$ 12,169 bilhões líquidos na poupança.

Março marcou o início de um movimento em que as famílias, preocupadas com as consequências da pandemia sobre seu orçamento, passaram a poupar mais, de olho no futuro. Além disso, nos meses seguintes o governo lançou uma série de programas voltados para a manutenção da renda de famílias e empresas – entre eles, o auxílio emergencial de R$ 600 para a população mais carente.

Ao avaliar a questão, o BC vinha citando, nos últimos meses, o risco de que a pandemia aumentasse a “poupança precaucional” no Brasil. Em outras palavras, o BC via o risco de que as famílias, com medo do desemprego e da redução da renda, aumentassem os depósitos em aplicações como a caderneta de poupança, para formar um “colchão” em caso de emergências.

O movimento de fato ocorreu.

O pagamento do auxílio emergencial à população de baixa renda em meses anteriores, no valor de R$ 600, também contribuiu para o aumento dos depósitos na poupança.

Os depósitos começaram a ser feitos em 9 de abril e parte deles segue na poupança, por precaução. Além disso, o governo já começou a depositar na conta dos beneficiários a extensão do auxílio emergencial, no valor de R$ 300. Este valor continuará a ser pago até o fim de dezembro.

Os números de novembro mostram que os depósitos brutos na caderneta foram de R$ 297,414 bilhões, enquanto os saques atingiram R$ 295,934 bilhões. Com isso, chegou-se à captação líquida de R$ 1,480 bilhão. Considerando o rendimento de R$ 1,627 bilhão de novembro, o saldo total da poupança atingiu R$ 1,013 trilhão no mês passado. No ano até novembro, a modalidade acumulou depósitos líquidos de R$ 145,708 bilhões.

Chama a atenção o fato de que a poupança vem recebendo depósitos líquidos nos últimos meses a despeito de sua rentabilidade estar cada vez menor. Atualmente, a poupança é remunerada pela taxa referencial (TR), que está em zero, mais 70% da Selic (a taxa básica de juros). A Selic, por sua vez, está em 2,00% ao ano, no menor nível da história. Na prática, a remuneração atual da poupança é de 1,4% ao ano – um porcentual que pode nem mesmo compensar a inflação corrente.

Esta regra de remuneração da poupança vale sempre que a Selic estiver abaixo dos 8,50% ao ano. Quando estiver acima disso, a poupança é atualizada pela TR mais uma taxa fixa de 0,5% ao mês (6,17% ao ano).

Advertência

Declaramos que o Portal Acionista.com.br não se responsabiliza pelas informações divulgadas neste site e qualquer outro canal, tanto referente às matérias de produção própria , quanto matérias ou análises produzidas por terceiros ou reproduzidas de links autorizados, publicados nas nossas páginas a partir de uma seleção criteriosa, porém sem garantir sua integralidade e exatidão.
Matérias e  análises produzidas por terceiros são de inteira responsabilidade dos mesmos. As informações, opiniões, sugestões, estimativas ou projeções referem-se a data presente e estão sujeitas à mudanças conforme as condições do mercado, sem prévio aviso.
Informamos, ainda, que o Acionista.com.br não faz qualquer recomendação de investimento e que, portanto, não se responsabiliza por perdas, danos, custos e lucros cessantes decorrentes de operações financeiras de qualquer tipo, enfatizando que as decisões sobre investimentos são pessoais.
Importante lembrar sempre: ganhos passados, não são garantia de ganhos futuros.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Leia também

Conheça o Painel Acionista: em um só lugar tudo o que você precisa saber sobre investimentos