Publicidade
Publicidade

Descarbonizar é a palavra

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email

O mundo terá zero emissões de Gases do Efeito Estufa (GEE, em português, e GHG Protocol, em inglês) até 2030? Ou seria até 2050? Estas são perguntas que permearão os debates durante a COP26, Conferência das Nações Unidas paras as Mudanças Climáticas que se realizará entre os dias 31 deste mês e 12 de novembro, em Glasgow, Escócia. Governos e entidades da sociedade civil preparam relatórios de forma abundante, apontando múltiplos dados e cálculos para se chegar a algum lugar. Um desses trabalhos é da organização Transparência Climática, apresentado nesta última semana, afirmando que o Brasil, por exemplo, não alcançará a meta pactuada por 195 países, no Acordo de Paris (de 2015), de limitar em 1,5ºC o aquecimento até 2030.

Já o World Energy Outlook 2021 (WEO-2021), da IEA (sigla, em inglês, da Agência Internacional de Energia) indica que o processo de eletrificação contribuirá com a descarbonização do planeta, mas os combustíveis fósseis (vilões destes tempos) ainda terão lugar garantido na matriz energética da maioria dos países até 2050. Ainda no centro desta discussão, o Relatório da IEA mostra ser imprescindível a redução do gás metano especialmente nas operações de combustíveis fósseis, em que produz vazamentos durante a manipulação.     

Responsável por 30% dos GEE, o metano também está presente nos aterros sanitários e, desde sempre, nos processos digestivos dos ruminantes (bovinos, em destaque, cuja criação só aumenta). Por flatulência e eructação (arrotos), estes animais exalam, individualmente, pouco mais de 140 gramas diárias. Agora multiplique por 217 milhões de cabeças e você terá somente o que se emite pelos bovinos brasileiros! Daí o documento da IEA assinalar, em um dos seus trechos, o ponto Reduzindo as emissões de metano das operações de combustível fóssil: Caminhos para um corte de 75% até 2030. Neste, enfatiza que a ação climática não pode se concentrar apenas no dióxido de carbono. “Os governos e as empresas de energia têm grandes oportunidades para reduzir as emissões de metano, que fornece a maneira mais impactante de limitar as mudanças climáticas de curto prazo”, diz a agência.

Publicidade



Enquanto o mundo analisa as variáveis para reduzir os gases – apontando o dedo com vigor para o quintal do vizinho –, circulou a informação de que o governo brasileiro consultou o BNDES para descolar um aporte de R$ 20 bilhões a fim de turbinar adivinhe o quê? Resposta: usinas de carvão mineral. 

GADO

O Brasil, que tem o maior rebanho bovino comercial do mundo (em 2020 eram 217 milhões de cabeças, respondendo por 14,3% de todo o rebanho mundial), é um dos primeiros países a autorizar o uso do suplemento nutricional Bovaer.

Produzido pela holandesa DSM, o produto promete reduzir 55% das emissões de gases do gado bovino. No aguardo de tal aferição.

TECNO

A Getnet, recém separada do Santander Brasil, onde era seu braço de pagamentos, começará a negociar as próprias ações nesta segunda-feira, 18, na B3.  

Companhia vai operar sob o ticker GETT3 (para ações ordinárias) e o GETT4 (preferenciais). Para negociação de units (agrupamento de papéis), o código será GETT11 e, a partir do dia 22 próximo, também estará na Nasdaq, a bolsa de tecnologia dos Estados Unidos.

OPÇÕES

O exercício de contratos de opções sobre Ações, Units e Cotas de ETF movimentou R$ 13.900.316.068,36, dos quais R$ 6.683.139.716,89 em opções de compra e R$ 7.217.176.351,47 em opções de venda, na B3, na semana recém encerrada.

Os maiores volumes ficaram com a VALEE ON, movimentando R$ 245,5 MM em opções de venda, e PETR PN, com R$ 244,3 MM, em opções de compra.

NOVO ÍNDICE

Um novo índice, para medir desempenho das ações listadas, deverá integrar a B3. A Bolsa fechou parceria com a Great Place to Work para elaboração do mesmo e seu anúncio será feito para a imprensa nesta terça,19.

ÍNDICES

Atualmente a Bolsa brasileira tem o Ibovespa (com 73 ativos de 70 empresas), como seu índice principal, mais o Índice Brasil (IBrX); Índice Brasil 50 (IBrX-50); Índice de Energia Elétrica (IEE); Índice Setorial de Telecomunicações (ITEL); Índice de Ações com Governança Corporativa Diferenciada (IGC); Índice Valor BM&FBOVESPA (IVBX-2); Índice de Sustentabilidade empresarial (ISE); Índice de Ações com Tag Along Diferenciado (ITAG);  Índice do Setor Industrial (INDX); Índice Brasil Amplo (IBrA); Índice Small Cap (SMLL); Índice Mid-Large Cap (MLCX); Índice Carbono Eficiente (ICO2); Índice de Consumo (ICON); Índice Imbiliário (IMOB); Índice Financeiro (IFNC); Índice de Materiais Básicos (IMAT); Índice Utilidade Pública (UTIL); Índice de Governança Corporativa Trade (IGCT) e Índice de Dividendos (IDIV)

BLACK

A Itaúsa informa ao mercado que recebeu correspondência da BlackRock, no último dia14, relatando que foram adquiridas novas ações preferenciais da holding. Com isto, a gestora de fundos passa a ter 5,01% de suas ações preferenciais.

SUSTENTABILIDADE

O Conselho Consultivo do GRI (Global Reporting Initiative) no Brasil divulgou pesquisa, junto a mais de 70 empresas, para conhecer as mais transparentes em relação ao item sustentabilidade. Foram avaliados vários itens, entre os quais Relatório, Releases e Formulário de Referência.

De acordo com o GRI, saíram bem na foto as seguintes companhias: Banco do Brasil, Itaú Unibanco, Bradesco, BRF, CEMIG, Cielo, CPFL, EDP, Eletrobrás, Engie, Natura, Petrobras, Renner e Suzano. 

SELO

A Simpar, holding que controla as marcas JSL, Movida, Vamos, CS Brasil, Original Concessionárias e BBC Leasing, recebeu o “Selo Ouro” – grau máximo de transparência no Programa Brasileiro GHG Protocol e que adota como base o inventário corporativo para emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE). 

TENDÊNCIAS

A Associação Brasileira das Companhias Abertas (Abrasca) promoverá no dia 26 próximo o workshop “Tendências e Desafios ESG”.   

Na tela alguns nomes de grande relevância na área, como Fábio Barbosa, Carlos Takahashi e Renato Gasparetto. 

RISCOS

Economista Luiz Fernando Bello acompanhou bem o Congresso Internacional de Gestão de Riscos em que Febraban e BC debateram a agenda regulatória pós-crise. Ele, que é colaborador de Plurale, produziu textos para o site.

Entre estes, destacou os debates sobre riscos socioambientais e a norma IFRS-9 que introduz novas exigências para medir a deterioração de ativos financeiros, além de um novo modelo de classificação e mensuração dentro de uma abordagem modificada para hedge accounting.  

ARTIGO

O planeta por um triz

(*) Paula Pires

O documentário Breaking Bounderies (Quebrando Fronteiras), lançado este ano por um canal de streaming, ilustra, de forma bem didática, que o crescimento humano abusou dos recursos da Terra; mas, como nos lembra o cientista sueco Johan Rockström, os nossos avanços científicos e tecnológicos também nos proporcionaram o reconhecimento desse problema e incentivam-nos a procurar soluções e a promover mudanças no nosso comportamento.

A investigação de Rockström encontrou nove “limites planetários” que nos podem orientar no sentido da proteção dos vários ecossistemas do planeta.

A pesquisa aborda a sustentabilidade conhecida como fronteiras (ou limites) planetário. Johan identificou nove processos ou sistemas chave no mega sistema terrestre e identificou o limite acima do qual cada um dos sistemas pode sofrer um desastre com proporções alarmantes. As alterações climáticas estão na lista, mas também outras ameaças antropogênicas como: a acidificação dos oceanos, a perda de biodiversidade e a poluição química.

Já estamos no limite e é lugar comum nos noticiários incêndios de grandes proporções em várias partes do mundo; o aumento contínuo da poluição; a escassez da água.

Uma rápida análise dos aspectos que corroboram com essa problemática: as frágeis políticas sobre o meio ambiente no Brasil e em outros países, como também uma parcela de culpa da sociedade, envenenada pelo consumismo desenfreado. Quem de nós recicla lixo, usa bicicletas ao invés de carros movidos a gasolina?

É indiscutível que essa questão e sua aplicação estejam entre os fatores que poderiam atenuar o problema. Mas não se trata somente disso. A sociedade e os governos devem se ater aos fatos e encará-los de frente. Domar o touro à unha, como diria o ditado popular.

A COP26 (Conferência das Partes — encontro anual que reúne 197 nações para discutir as mudanças climáticas e como os países pretendem combatê-las e como impulsioná-las) acontecerá em Glasgow, na Escócia, em novembro próximo. Urge apontar quais medidas serão tomadas de fato e que não fiquem só no papel.

O Brasil ainda tem muito a aprender. Cientistas já detectaram que 20% da Amazônia foram desmatadas. Vale ressaltar a grandeza e a importância deste tesouro verde – é como se fosse um ar-condicionado do planeta. Representa mais da metade das florestas tropicais remanescentes no globo terrestre e compreende a maior biodiversidade em uma floresta tropical no mundo. Um dos seis grandes biomas brasileiros.

O grande problema é que temos governos extremistas que não se comprometem com a vida no planeta.

Talvez, José Saramago, no Livro “Objecto Quase”, lançado em 1978, já tivesse conjecturado o nosso presente: “Que espécie de quimera é então o homem? Que novidade, que monstro, que caos, que fonte de contradições, que prodígio? Juiz, depositário da verdade, cloaca da incerteza e do erro, glória e rebotalho do universo.”

Como diria o escritor e filósofo Gustavo Bernardo, no livro ” A Ficção de Deus”, cada ser humano carrega, ao mesmo tempo, o melhor e o pior da humanidade,

Portanto, para tentarmos ser melhores é inadmissível que esse cenário perdure.

Fica evidente fortalecer políticas públicas em torno da Mudança Climática no nosso planeta. Para tanto, ninguém deve largar a mão de ninguém. Como as mãos entrelaçadas do artista holandês Escher em sua mágica pintura. Isso seria impossível? Daqui a 50 anos o planeta responderá.


(*) Paula Pires é jornalista e colaboradora de Plurale (site e revista parceiros do Portal Acionista).

Nelson Tucci

Nelson Tucci

Repórter em veículos como Folha de S.Paulo e O Estado de S.Paulo, atuou também como apresentador do programa ECO Negócios, na ECO TV. É MBA em Comunicação e Relações com Investidores e diretor na Virtual Comunicação.

Você pode se interessar por

Publicidade

Leia também

Acionista consome. Acionista investe

Você como Acionista, consome da
empresa que investe?

Tire dúvidas sobre investimentos

Publicidade

Últimas atualizações sobre

Advertência

Declaramos que o Portal Acionista.com.br não se responsabiliza pelas informações divulgadas neste site e qualquer outro canal, tanto referente às matérias de produção própria , quanto matérias ou análises produzidas por terceiros ou reproduzidas de links autorizados, publicados nas nossas páginas a partir de uma seleção criteriosa, porém sem garantir sua integralidade e exatidão. Matérias e  análises produzidas por terceiros são de inteira responsabilidade dos mesmos. As informações, opiniões, sugestões, estimativas ou projeções referem-se a data presente e estão sujeitas à mudanças conforme as condições do mercado, sem prévio aviso. Informamos, ainda, que o Acionista.com.br não faz qualquer recomendação de investimento e que, portanto, não se responsabiliza por perdas, danos, custos e lucros cessantes decorrentes de operações financeiras de qualquer tipo, enfatizando que as decisões sobre investimentos são pessoais.
Importante lembrar sempre: ganhos passados, não são garantia de ganhos futuros.

Publicidade

Esse site usa cookies para personalizar o conteúdo, propagandas e acompanhar o tráfego de acordo com os nossos Termos de Uso e Política de Privacidade.