Demanda por transporte de carga recua 13,5% em julho, diz Iata; oferta cai 31,2%

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tweet
Compartilhar no linkedin
Publique
Compartilhar no whatsapp
Encaminhe
Compartilhar no email
Envie

Newsletter

Tire dúvidas sobre investimentos

Receba notícias pelo Telegram

Terra
A demanda global por transporte aéreo de carga, medida em toneladas de carga por quilômetro (CTKs), apresentou queda de 13,5% em julho na comparação com igual mês de 2019, informou nesta segunda-feira a Associação Internacional de Transporte Aéreo (Iata, na sigla em inglês). Segundo a Iata, o resultado representa uma modesta melhora na comparação com a queda de 16,6% registrada em junho na comparação anual.

A associação destacou que apesar da melhora, a retomada está mais lenta do que o esperado. “Isso se deve à restrição de capacidade decorrente da perda de espaço de carga na barriga das aeronaves, uma vez que os aviões de passageiros permanecem inoperantes”, explicou.

Diante do cenário, a capacidade global do setor, medida em toneladas de carga disponível por quilômetro (ACTKs), recuou 31,2% em julho (32,9% para as operações internacionais) na comparação com igual mês do ano anterior. Em junho, a queda foi de 33,4%.

A capacidade na barriga das aeronaves no segmento internacional despencou 70,5% em julho, com as restrições de mobilidade por causa da pandemia de covid-19. “A queda foi parcialmente compensada pela alta de 28,8% na capacidade via maior uso das aeronaves cargueiras”, explicou a Iata.

“A carga aérea é muito mais forte do que o transporte de passageiros. E um dos nossos maiores desafios continua a ser a acomodação da demanda com capacidade severamente reduzida”, disse Alexandre de Juniac, diretor geral e CEO da Iata.

No recorte regional , a América Latina, que responde por 2,8% do mercado de carga, reportou queda de 33,2% na demanda e 49,2% na oferta.

Advertência

Declaramos que o Portal Acionista.com.br não se responsabiliza pelas informações divulgadas neste site e qualquer outro canal, tanto referente às matérias de produção própria , quanto matérias ou análises produzidas por terceiros ou reproduzidas de links autorizados, publicados nas nossas páginas a partir de uma seleção criteriosa, porém sem garantir sua integralidade e exatidão.
Matérias e  análises produzidas por terceiros são de inteira responsabilidade dos mesmos. As informações, opiniões, sugestões, estimativas ou projeções referem-se a data presente e estão sujeitas à mudanças conforme as condições do mercado, sem prévio aviso.
Informamos, ainda, que o Acionista.com.br não faz qualquer recomendação de investimento e que, portanto, não se responsabiliza por perdas, danos, custos e lucros cessantes decorrentes de operações financeiras de qualquer tipo, enfatizando que as decisões sobre investimentos são pessoais.
Importante lembrar sempre: ganhos passados, não são garantia de ganhos futuros.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Leia também

Conheça o Painel Acionista: em um só lugar tudo o que você precisa saber sobre investimentos