CVM: emergência dos riscos socioambientais deve ser considerada pelo regulador

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tweet
Compartilhar no linkedin
Publique
Compartilhar no whatsapp
Encaminhe
Compartilhar no email
Envie

Newsletter

Tire dúvidas sobre investimentos

Receba notícias pelo Telegram

Ativa
A “emergência” dos riscos socioambientais associados às atividades corporativas deve ser considerada pelos órgãos reguladores do mercado de capitais, disse nesta segunda-feira Henrique Machado, diretor da Comissão de Valores Mobiliários (CVM), em cerimônia virtual para anunciar um acordo de cooperação com o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) para o desenvolvimento de títulos temáticos com foco socioambiental.

“A emergência dos riscos socioambientais deve ser considerada pelo regulador, a CVM, na regulação e na supervisão”, afirmou Machado, na cerimônia de abertura, em transmissão ao vivo, da Semana Mundial do Investidor 2020, que terá eventos online até sexta-feira, 8.

Segundo o diretor da CVM, a assinatura do acordo de cooperação com o BID formalizará uma parceria que já ocorre há três anos, em discussões sobre inovações na regulação do mercado de capitais. Machado ressaltou a importância de fomentar a emissão de títulos verdes no mercado nacional, usando para isso os papéis que já existem, como debêntures, letras financeiras e letras do agronegócio.

O diretor também reafirmou a intenção da CVM de padronizar as informações relacionadas a questões ambientais, sociais e de governança (ASG) no Formulário de Referência que os emissores são obrigados a informação ao mercado.

O representante do BID no Brasil, Morgan Doyle, disse que, mais do que uma “tendência”, a preocupação com aspectos ASG no mercado é “uma realidade”. Segundo o executivo, houve cerca de 50 emissões de “títulos verdes” no Brasil este ano, levantando US$ 8 bilhões, um “volume significativo, mas ainda pequeno”. Nos Estados Unidos, o volume de emissões chega a US$ 170 bilhões e, na China, em torno de US$ 100 bilhões, completou Doyle.

“Há muito espaço ainda e muitas oportunidades para o crescimento de mercados de debêntures, Fidcs (fundos de investimento em direitos creditórios) e letras financeiras que possam ser classificadas como verdes e socialmente sustentáveis”, afirmou Doyle, também na cerimônia de abertura da Semana Mundial do Investidor 2020.

Transparência

A cobrança sobre o “disclousure” de informações, com foco nos riscos ambientais, sociais e de governança (ASG) e na gestão desses riscos, e a proteção do investidor, especialmente contra o “greenwashing”, são os principais elementos da agenda de regulação sobre “títulos verdes”, afirmou o superintendente de Proteção e Orientação aos Investidores da CVM, José Alexandre Cavalcanti Vasco.

“O papel do regulador passa pela promoção da transparência”, resumiu Vasco, no seminário sobre títulos temáticos.

Para Vasco, o “greenwashing”, quando investimentos em ações de sustentabilidade são desviados de sua finalidade ou preocupados apenas com a imagem das companhias, tem “efeitos nefastos” sobre um mercado que está no início de seu desenvolvimento.

Citando pesquisa da Iosco, a organização internacional que reúne os órgãos de regulação dos mercados de capitais de todo o mundo, Vasco disse que a maioria dos reguladores apoia investimentos sustentáveis, mas poucos já têm normais específicas contra o “greenwashing”.

No trabalho de transparência, o superintendente da CVM destacou a importância de os reguladores atuarem internacionalmente para padronizar “taxonomias” de títulos e de regras, o que facilitará a compreensão sobre riscos.

Advertência

Declaramos que o Portal Acionista.com.br não se responsabiliza pelas informações divulgadas neste site e qualquer outro canal, tanto referente às matérias de produção própria , quanto matérias ou análises produzidas por terceiros ou reproduzidas de links autorizados, publicados nas nossas páginas a partir de uma seleção criteriosa, porém sem garantir sua integralidade e exatidão.
Matérias e  análises produzidas por terceiros são de inteira responsabilidade dos mesmos. As informações, opiniões, sugestões, estimativas ou projeções referem-se a data presente e estão sujeitas à mudanças conforme as condições do mercado, sem prévio aviso.
Informamos, ainda, que o Acionista.com.br não faz qualquer recomendação de investimento e que, portanto, não se responsabiliza por perdas, danos, custos e lucros cessantes decorrentes de operações financeiras de qualquer tipo, enfatizando que as decisões sobre investimentos são pessoais.
Importante lembrar sempre: ganhos passados, não são garantia de ganhos futuros.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Leia também

Fique por dentro

Se inscreva para ser notificado quando um novo post for publicado.

Além de diversos conteúdos do mercado financeiro em um lugar para você ler, comparar e decidir.