Publicidade
Publicidade
Publicidade

Crédito ampliado ao setor não financeiro registra R$ 13,2 tri

Data da publicação

Empresa autorizada a distribuir informações financeiras das principais bolsas de valores do mundo. Reconhecida por sua tradição e excelência em captar cotações de ativos não negociados em bolsas, através de seu núcleo de Captação e Monitoração de Mercado. Disponibiliza, também, de forma ágil e rápida, notícias e análises relevantes para o mercado financeiro, produzidas pela Enfoque e seus parceiros.

Data da publicação

Em outubro, o crédito ampliado ao setor não financeiro alcançou R$13,2 trilhões (155,8% do PIB), aumentando 0,8% no mês, segundo dados do Banco Central (BC). A dívida externa cresceu 3,5%, influenciada pela depreciação cambial de 3,74% no mês. Os empréstimos e financiamentos e os títulos de dívida variaram 1,3% e -0,9%, respectivamente. Na comparação interanual, o crédito ampliado cresceu 13,5%, prevalecendo as elevações da carteira de empréstimos do SFN e dos títulos públicos.

O crédito ampliado contratado pelas empresas atingiu R$4,6 trilhões, 54,8% do PIB, com alta de 2,6% no mês. Os empréstimos externos aumentaram 3,2%, parcialmente em função da depreciação cambial, enquanto o estoque de títulos cresceu 4,7%. Comparativamente a outubro do ano passado, a variação de 9,8% do crédito ampliado a empresas refletiu principalmente o aumento de 31,5% em títulos e de 12,0% na carteira de empréstimos e financiamentos do SFN.

O crédito ampliado às famílias atingiu R$2,8 trilhões, equivalentes a 33,3% do PIB, com crescimentos de 1,8% no mês e de 18,9% em doze meses, em função dos empréstimos e financiamentos do SFN.

Operações de crédito do Sistema Financeiro Nacional (SFN)

O crédito do SFN totalizou R$4,5 trilhões em outubro, incremento de 1,5% em relação ao mês anterior. Esse desempenho refletiu altas de 0,9% na carteira de pessoas jurídicas (saldo de R$1,9 trilhão) e de 1,9% na de famílias (R$2,6 trilhões). Em relação a outubro de 2020, o crédito elevou-se 16%, mesmo desempenho do mês anterior. Na mesma base de comparação, o crédito destinado às empresas desacelerou, passando de 11,7% para 11,4%, enquanto o destinado às famílias continuou em expansão, de 19,5% para 19,7%.

O saldo do crédito livre às empresas somou R$1,2 trilhão, com aumentos de 1,2% no mês e de 15,9% em doze meses, destacando-se as modalidades de antecipação de faturas de cartão de crédito (5,5%), capital de giro com prazo superior a 365 dias (0,9%) e financiamento às exportações (3,0%). Para as pessoas físicas, de crédito atingiu R$1,4 trilhão em outubro, altas de 2,2% em relação ao mês anterior e de 21,3% na comparação interanual, com evolução nas principais carteiras do segmento, destacadamente as operações de cartão de crédito (+4,2%), o crédito pessoal não consignado (+4,1%), o crédito pessoal consignado para servidores públicos (+1,0%) e os financiamentos para a aquisição de veículos (+1,2%).

O saldo das operações de crédito direcionado destinado às empresas atingiu R$695 bilhões no mês, com expansão mensal de 0,6% e crescimento interanual de 4,2%, com destaque para a carteira de outros créditos direcionados (1,3%). No crédito direcionado às famílias, o saldo totalizou R$1,2 trilhão em outubro, com variações positivas de 1,5% no mês e de 17,8% em doze meses, fomentado pela continuidade do desempenho favorável do crédito rural com taxas reguladas (2,9%) e dos financiamentos imobiliários com taxas reguladas (1,1%).

As novas contratações de crédito do sistema financeiro atingiram R$428,9 bilhões em outubro. Na série com ajuste sazonal, o fluxo aumentou 1,7% no mês, com expansão de 5,1% nas concessões a pessoas jurídicas e alta de 0,1% com pessoas físicas.

O Indicador de Custo do Crédito (ICC), que mede o custo médio de todo o crédito do SFN, atingiu 18,0% a.a., elevando-se 0,3 p.p. no mês e 0,8 p.p. na comparação com outubro de 2020. No crédito livre não rotativo, o ICC situou-se em 23,7% a.a., variações de 0,4 p.p. em outubro (0,8 p.p. na comparação interanual). O spread geral do ICC situou-se em 12,3 p.p. (+0,1 p.p. no mês e +0,2p.p. na comparação interanual).

A taxa de juros das novas operações de crédito do SFN atingiu 23,2% a.a. no mês, com elevações de 1,5 p.p. em relação ao mês anterior e de 4,6 p.p. em doze meses. O spread bancário situou-se em 15,3 p.p., com alta mensal de 0,7 p.p. e de 0,8 p.p. na comparação interanual.

Nas operações com taxas livremente pactuadas, a taxa média de juros situou-se 32,8% a.a. em outubro, com incrementos de 2,2 p.p. no mês e de 6,3 p.p. em comparação ao mesmo período do ano anterior. No crédito livre às pessoas jurídicas, a taxa média de juros atingiu 19,1% a.a., com expansões de 2,0 p.p. no mês e 7,1% em doze meses, com destaque para os crescimentos nos custos de contratação de desconto de duplicatas e outros recebíveis (1,5 p.p.), capital de giro com prazo menor que 365 dias (6,0 p.p.) e capital de giro com prazo superior a 365 dias (2,0 p.p.). A taxa de juros para empréstimos livres a pessoas físicas atingiu 43,8% a.a., com aumentos de 2,1 p.p. no mês e de 4,8 p.p. em 12 meses, destaque para os incrementos em crédito pessoal não consignado (6,2 p.p.), crédito pessoal consignado para servidores públicos (0,9 p.p.) e cartão de crédito rotativo (4,1 p.p.).

A inadimplência total permaneceu estável em outubro, em 2,3%. Por segmento, o crédito livre registrou estabilidade neste indicador em 3,0% do total da carteira, enquanto nas operações direcionadas a inadimplência apresentou redução de 0,1 p.p. ao atingir 1,2%.

Agregados monetários

A base monetária totalizou R$396,2 bilhões em outubro, reduções de 1,8% no mês e de 7,4% em doze meses. No mês, papel-moeda emitido e reservas bancárias diminuíram 1,5% e 3,4%, respectivamente.

Entre os fluxos mensais dos fatores condicionantes da base monetária, apresentaram contração as operações do Tesouro Nacional (R$11 bilhões), com títulos públicos federais (R$115 milhões, resultado de resgates líquidos de R$122,9 bilhões no mercado primário e vendas líquidas de R$123,1 bilhões no mercado secundário), da Linha Temporária Especial de Liquidez e Redesconto (R$8 bilhões), do setor externo (R$2,3 bilhões), os depósitos de instituições financeiras (R$749 milhões, resultado principalmente da liberação de recursos de depósitos de poupança de R$183 milhões e do recolhimento de recursos de depósitos a prazo de R$874 milhões). Em contrapartida, as operações com derivativos foram expansionistas em R$12,9 bilhões.

Os meios de pagamento restritos (M1) alcançaram R$600 bilhões em outubro, redução de 1,3% no mês, resultante dos decréscimos do papel-moeda em poder do público e dos depósitos à vista em 0,3% e 2,1%, respectivamente. Considerando-se dados dessazonalizados, o M1 recuou 0,5% no mês.

O M2 registrou variação negativa de 0,3 no mês, totalizando R$4,2 trilhões. O saldo dos depósitos de poupança recuou 0,5% no período, somando R$1,0 trilhão, após registrar resgates líquidos de R$7,4 bilhões. O saldo dos títulos emitidos por instituições financeiras recuou 0,1%, totalizando R$2,5 trilhões, após resgates líquidos de R$24,1 bilhões nos depósitos a prazo. O M3 recuou 0,5% no mês, totalizando R$8,5 trilhões. O saldo das quotas de fundos do mercado monetário registrou retração de 0,5% no período, totalizando R$4,1 trilhões. O M4 cresceu 0,7% no mês, totalizando R$9,3 trilhões, refletindo o crescimento de 15,5% no saldo dos títulos federais. Em 12 meses a variação foi de 12,1%.


PARE DE SE CADASTRAR EM CADA CANTO

A transparência para as suas decisões de investimentos.

Encontre relatórios de instituições concorrentes, compare entre as sugestões e deixe de ter que se cadastrar em cada canto da internet para receber suas notificações preferidas.

Conheça o Clube Acionista, a plataforma que reúne recomendações de mais de 60 especialistas de mercado em um só lugar. A facilidade de não precisar sair procurando por boa informação em diferentes canais.

O CADASTRO É TOTALMENTE GRATUITO. APROVEITE!

Publicidade

A cobertura completa para atrair bons investimentos

Autor

Empresa autorizada a distribuir informações financeiras das principais bolsas de valores do mundo. Reconhecida por sua tradição e excelência em captar cotações de ativos não negociados em bolsas, através de seu núcleo de Captação e Monitoração de Mercado. Disponibiliza, também, de forma ágil e rápida, notícias e análises relevantes para o mercado financeiro, produzidas pela Enfoque e seus parceiros.

Receba informações do mercado financeiro no seu celular gratuitamente

Compartilhe esse post nas suas redes!

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email

Você pode se interessar por

Publicidade

Leia também

Publicidade

Advertência

Declaramos que o Portal Acionista.com.br não se responsabiliza pelas informações divulgadas neste site e qualquer outro canal, tanto referente às matérias de produção própria , quanto matérias ou análises produzidas por terceiros ou reproduzidas de links autorizados, publicados nas nossas páginas a partir de uma seleção criteriosa, porém sem garantir sua integralidade e exatidão. Matérias e  análises produzidas por terceiros são de inteira responsabilidade dos mesmos. As informações, opiniões, sugestões, estimativas ou projeções referem-se a data presente e estão sujeitas à mudanças conforme as condições do mercado, sem prévio aviso. Informamos, ainda, que o Acionista.com.br não faz qualquer recomendação de investimento e que, portanto, não se responsabiliza por perdas, danos, custos e lucros cessantes decorrentes de operações financeiras de qualquer tipo, enfatizando que as decisões sobre investimentos são pessoais.
Importante lembrar sempre: ganhos passados, não são garantia de ganhos futuros.

Publicidade

Telegram Acionista

Os principais destaques do mercado! A melhor cobertura.

Esse site usa cookies para personalizar o conteúdo, propagandas e acompanhar o tráfego de acordo com os nossos Termos de Uso e Política de Privacidade.