Covid-19 e acordo frustrado com Boeing levam Embraer a prejuízo de R$ 1,7 bi

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tweet
Compartilhar no linkedin
Publique
Compartilhar no whatsapp
Encaminhe
Compartilhar no email
Envie

Newsletter

Receba notícias por Whatsapp

Receba notícias pelo Telegram

Em meio ao caos do coronavírus, que derrubou a demanda por passagens aéreas no mundo e colocou as fabricantes de aviões em compasso de espera, a brasileira Embraer enfrentou um problema adicional: o fim do acordo de venda de sua operação comercial para a Boeing. Sozinha no mercado depois de ver um contrato costurado dois anos atrás ser desfeito, a empresa teve de aumentar reservas para calotes por causa da crise das companhias aéreas, registrando prejuízo bilionário no segundo trimestre.

A fabricante brasileira reportou um prejuízo líquido de R$ 1,68 bilhão entre abril e junho, revertendo o lucro líquido de R$ 26,1 milhões do mesmo período do ano passado. O presidente da Embraer, Francisco Gomes Neto, disse que a empresa está se adaptando à nova realidade, buscando a reduções de custo e revisando seu plano estratégico até 2025. Isso incluiu o adiamento da entrada em operação do jato E175-E2 para 2023. Ontem, o mercado reagiu bem ao balanço: a principal ação da empresa subiu 2,57%, para R$ 7,66.

Os esforços de economia já resultaram em economias calculadas em US$ 850 milhões – mas, ainda assim, restam muitos problemas. Apenas os custos com a segregação do negócio com a Boeing, que foi encerrado em abril pela norte-americana, tinham custado R$ 500 milhões à Embraer. Só no segundo trimestre, o gasto com a separação frustrada foi de R$ 118,9 milhões. A empresa briga para conseguir esses valores de volta em uma arbitragem. No meio do turbilhão, a Embraer entregou quatro aeronaves comerciais no segundo trimestre, ante 26 um ano antes.

A covid-19 tem feito a Embraer reservar uma fatia significativa dos seus recursos para se proteger de devedores duvidoso. No primeiro semestre, a provisão adicional da fabricante foi de R$ 246,8 milhões. “Temos sido bem mais cautelosos e aumentamos muito os níveis de provisão. Isso está relacionado com a piora de rating de crédito de todas as companhias, inclusive algumas entrando em Chapter 11 (lei de recuperação judicial nos Estados Unidos)”, explicou o vice-presidente e diretor financeiro da Embraer, Antonio Carlos Garcia.

Luz no fim do túnel

Os executivos reconheceram o cenário difícil, mas veem alguns sinais positivos. “Estamos cautelosamente otimistas com o futuro, pois já vemos alguma recuperação nos voos domésticos ao redor do mundo”, disse Garcia. Para o executivo, o melhor momento do ano virá no quarto trimestre, quando o grupo pretende parar de queimar caixa.

Os voos domésticos têm reagido muito mais rápido à crise do que o segmento internacional, sobretudo diante das restrições de mobilidade na quarentena. A estimativa da Iata (agência internacional de transporte aéreo) é que a demanda global de transporte aéreo de passageiros só voltará aos níveis de 2019 apenas em 2024.

O cenário do mercado doméstico é menos dramático, com muitas aéreas ampliando as decolagens. No Brasil, segundo a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), a demanda por voos domésticos teve queda de 85% em junho, em relação ao mesmo período em 2019. Mas já foi pior: em abril, a retração chegava a 93%.

A Embraer tem conseguido ocupar espaço com seus aviões, que são menores do que os modelos de Boeing e Airbus. A KLM, por exemplo, usava 80% dos seus E-Jets no fim de abril de 2020, contra 14% das aeronaves Boeing 737-NG. Em junho, o porcentual de uso do modelo da Embraer foi a 98%, contra 29% do 737. Na Japan Airlines, o uso dos E-Jets foi de 100% em junho, contra 81% do rival. Os números foram divulgados em evento recente da Embraer.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Advertência

Declaramos que o Portal Acionista.com.br não se responsabiliza pelas informações divulgadas neste site e qualquer outro canal, tanto referente às matérias de produção própria , quanto matérias ou análises produzidas por terceiros ou reproduzidas de links autorizados, publicados nas nossas páginas a partir de uma seleção criteriosa, porém sem garantir sua integralidade e exatidão.
Matérias e  análises produzidas por terceiros são de inteira responsabilidade dos mesmos. As informações, opiniões, sugestões, estimativas ou projeções referem-se a data presente e estão sujeitas à mudanças conforme as condições do mercado, sem prévio aviso.
Informamos, ainda, que o Acionista.com.br não faz qualquer recomendação de investimento e que, portanto, não se responsabiliza por perdas, danos, custos e lucros cessantes decorrentes de operações financeiras de qualquer tipo, enfatizando que as decisões sobre investimentos são pessoais.
Importante lembrar sempre: ganhos passados, não são garantia de ganhos futuros.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Publicidade

Leia também

Destaques da bolsa ativos durante o pregão - das 10h as 17h - Fonte: Google Finance - delay aprox. de 20 min.

*Dados inativos fora do horário do pregão.

Por: Nelson Tucci

Toda segunda-feira

Por: Nelson Tucci

Toda segunda-feira