Correção: Reação à pandemia gera alta dos desembolsos do BNDES no 2º tri

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tweet
Compartilhar no linkedin
Publique
Compartilhar no whatsapp
Encaminhe
Compartilhar no email
Envie

Newsletter

Receba notícias por Whatsapp

Receba notícias pelo Telegram

Att. Srs. Assinantes:

Diferentemente do informado na nota publica anteriormente, a alta nos desembolsos do BNDES no segundo trimestre ante igual período de 2019, de 61,6%, é a maior desde o segundo trimestre de 2013, e não desde o terceiro trimestre de 2009. No terceiro trimestre de 2013, houve alta real de 66,0% ante igual período de 2012. A alta registrada no segundo trimestre de 2020 foi a segunda maior desde o terceiro trimestre de 2009, quando o avanço em relação a igual período de 2008 foi de 133,8%. Segue a nota corrigida:

Chamado a atuar para mitigar o efeito da crise causada pela pandemia de covid-19 sobre as empresas, o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) registrou no segundo trimestre a maior expansão de crédito desde 2013. Foi a terceira maior alta de um trimestre ante o igual período do ano anterior, na série histórica iniciada em 1995. O recorde foi registrado em 2009, quando aportes bilionários do Tesouro Nacional deram musculatura para a instituição de fomento atuar na recuperação da crise financeira internacional agravada em setembro de 2008.

Os desembolsos do BNDES para financiamentos ficaram em R$ 17,658 bilhões no segundo trimestre deste ano, alta de 61,6% ante igual período de 2019, já descontado o efeito da inflação. No primeiro trimestre, a mesma base de comparação apontou um tombo de 44,3% nos valores liberados no primeiro trimestre, conforme dados divulgados nesta sexta-feira, 14, pelo banco de fomento, junto dos resultados financeiros.

Embora tenha registrado altas pontuais no quarto trimestre de 2018 e no primeiro trimestre de 2019, a trajetória dos desembolsos do BNDES tem sido de queda desde 2014. Ano passado, o banco liberou R$ 55,314 bilhões, o menor valor desde 1996, já descontada a inflação. Como proporção do Produto Interno Bruto (PIB), os desembolsos ficaram em 0,76%, menor nível da série histórica do BNDES, iniciada em 1995.

Na comparação dos desembolsos trimestrais com iguais períodos de anos anteriores, sempre corrigindo pela inflação, a alta de 61,6% foi a maior desde o segundo trimestre de 2013, quando houve avanço de 66,0% em relação ao segundo trimestre de 2012. O recorde nessa base de comparação fica com o terceiro trimestre de 2009. Naquele período, quando a expansão do BNDES turbinava a rápida recuperação da economia após a recessão do fim de 2008 ao início de 2009, a alta em relação ao terceiro trimestre de 2008 foi de 133,8%. Os desembolsos do BNDES fechariam 2009 com salto de 39,8%, para R$ 260 bilhões, pavimentando o caminho para os R$ 296 bilhões liberados em 2010, recorde na história do banco de fomento.

Ao apresentar os resultados financeiros do segundo trimestre, a diretora financeira do BNDES, Bianca Nasser, associou o crescimento nos desembolsos às linhas de crédito emergenciais. O banco informou que as contratações de novos empréstimos também subiram fortemente, somando R$ 20,7 bilhões no segundo trimestre, alta de 129% ante o mesmo período de 2019, sem descontar a inflação.

Segundo Bianca, não só os desembolsos, mas os valores de aprovações e consultas a novos empréstimos cresceram no acumulado em 12 meses até junho. “A partir do início deste ano, essa curva começou a apresentar crescimento em todas essas rubricas, tanto consultas, quanto aprovações e desembolsos”, afirmou a diretora.

A executiva chamou atenção, porém, para a composição dessas contratações, priorizando o financiamento a projetos de infraestrutura e para empresas de menor porte, focos do novo posicionamento do BNDES, menor e com menos subsídios. Os dados divulgados junto das demonstrações de resultados mostram R$ 11,2 bilhões em novos financiamentos contratados para a infraestrutura, 88% acima de igual período de 2019, de novo sem descontar a inflação.

A alta nos desembolsos no segundo trimestre já havia aparecido nos dados do Banco Central (BC). No segundo trimestre, o banco de fomento concedeu R$ 17,2 bilhões de crédito a empresas de todos os portes, como mostrou o Broadcast há uma semana. O montante é 247,8% maior que o verificado no primeiro trimestre do ano, quando o surto de covid-19 ainda estava no início. Nas linhas de capital de giro, o avanço foi de 4.040,5%.

Nos dados do BC, a trajetória também era de queda, até a alta do segundo trimestre. No fim de 2015, ainda no segundo mandato de Dilma Rousseff (PT), o saldo das operações de crédito do BNDES somava R$ 633,4 bilhões. No encerramento de 2019, o valor ficou em R$ 382,4 bilhões.

Contato: [email protected]

Advertência

Declaramos que o Portal Acionista.com.br não se responsabiliza pelas informações divulgadas neste site e qualquer outro canal, tanto referente às matérias de produção própria , quanto matérias ou análises produzidas por terceiros ou reproduzidas de links autorizados, publicados nas nossas páginas a partir de uma seleção criteriosa, porém sem garantir sua integralidade e exatidão.
Matérias e  análises produzidas por terceiros são de inteira responsabilidade dos mesmos. As informações, opiniões, sugestões, estimativas ou projeções referem-se a data presente e estão sujeitas à mudanças conforme as condições do mercado, sem prévio aviso.
Informamos, ainda, que o Acionista.com.br não faz qualquer recomendação de investimento e que, portanto, não se responsabiliza por perdas, danos, custos e lucros cessantes decorrentes de operações financeiras de qualquer tipo, enfatizando que as decisões sobre investimentos são pessoais.
Importante lembrar sempre: ganhos passados, não são garantia de ganhos futuros.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Publicidade

Leia também

Destaques da bolsa ativos durante o pregão - das 10h as 17h - Fonte: Google Finance - delay aprox. de 20 min.

*Dados inativos fora do horário do pregão.

Por: Nelson Tucci

Toda segunda-feira

Por: Nelson Tucci

Toda segunda-feira