Comércio paulista começa 2021 menos confiante

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tweet
Compartilhar no linkedin
Publique
Compartilhar no whatsapp
Encaminhe
Compartilhar no email
Envie

Newsletter

Tire dúvidas sobre investimentos

Receba notícias pelo Telegram

Terra

Depois de registrar altas seguidas por sete meses no ano passado, o Índice de Confiança do Empresário do Comércio (ICEC) da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP) voltou a cair entre dezembro de 2020 e janeiro de 2021, e fechará o primeiro mês de 2021 aos 98,2 pontos – ou seja, abaixo do patamar dos cem pontos, como estava em outubro.

Mesmo em um cenário de retomada da economia paulista e do início do plano de vacinação no Estado, a confiança do empresariado está muito menor se comparada ao começo de 2020, quando, nesta mesma época, o ICEC estava 20,3% maior, marcando 123,2 pontos.

A queda se deve principalmente à movimentação negativa do Índice das Condições Atuais do Empresário do Comércio (ICAEC), um dos três indicadores que compõem o ICEC e que pergunta aos empresários sobre as condições momentâneas dos seus negócios e do ambiente econômico. Nele, a variação foi para baixo em 2,6%, chegando aos 66,7 pontos em janeiro.

O resultado do Índice de Expectativa do Empresário do Comércio (IEEC), que mede os prognósticos do setor para o futuro, também registrou queda, em janeiro, de 5,1%, passando de 144 pontos em dezembro para 136,7 agora.

Queda no comércio

Se as expectativas dos comerciantes entraram em 2021 ligeiramente mais baixas, um dos motivos pode ser a retração no crescimento do setor: o Índice de Expansão do Comércio (IEC) voltou a um patamar abaixo dos cem pontos em janeiro, fechando o mês em 98,2 pontos – queda de 2,7% em comparação a dezembro. O resultado veio depois de uma alta de 10% em novembro, quando as lojas estavam na expectativa das vendas da Black Friday e do Natal. Até então, o indicador registrava crescimentos consecutivos desde junho.

Na comparação com janeiro de 2020, vale dizer, a queda do IEC é de 12,9%.

Os dois indicadores que compõem o índice caíram em janeiro: o de Expectativas para Contratação de Funcionários (-5,1%) e o de Nível de Investimento das Empresas (-0,2%) – este último registra uma queda acentuada de 24,8% em relação ao mesmo mês de 2020.

O que esperar do início do ano?

Uma orientação constante da FecomercioSP em meio a pandemia é que os empresários sejam cautelosos. Como os primeiros meses do ano costumam ser mais fracos, eles devem planejar e analisar com acuidade as compras, vendas e a movimentação dos estoques. Equívocos nestes parâmetros podem levar a endividamento, entrave no fluxo de caixa e perda de clientes – por conta dos atrasos nas entregas.

Assim como os outros indicadores, o Índice de Estoques (IE) de janeiro caiu 0,8%, chegando a 100,4 pontos. Isso significa, sobretudo, que o movimento dos produtos estocados caiu entre o fim do ano passado e o começo de 2021.

Uma estratégia que pode dar bons resultados nesta época do ano é promover liquidações sobre produtos encalhados nos estoques. Outras, passam por atrair os consumidores por meio de diferenciais, como promoções, planos de descontos, diminuição planejada de preços ou a chamada ‘venda cruzada’ – quando a compra de um produto se relaciona com a de outro.

(MR – Agência Enfoque)

Advertência

Declaramos que o Portal Acionista.com.br não se responsabiliza pelas informações divulgadas neste site e qualquer outro canal, tanto referente às matérias de produção própria , quanto matérias ou análises produzidas por terceiros ou reproduzidas de links autorizados, publicados nas nossas páginas a partir de uma seleção criteriosa, porém sem garantir sua integralidade e exatidão.
Matérias e  análises produzidas por terceiros são de inteira responsabilidade dos mesmos. As informações, opiniões, sugestões, estimativas ou projeções referem-se a data presente e estão sujeitas à mudanças conforme as condições do mercado, sem prévio aviso.
Informamos, ainda, que o Acionista.com.br não faz qualquer recomendação de investimento e que, portanto, não se responsabiliza por perdas, danos, custos e lucros cessantes decorrentes de operações financeiras de qualquer tipo, enfatizando que as decisões sobre investimentos são pessoais.
Importante lembrar sempre: ganhos passados, não são garantia de ganhos futuros.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Leia também

Conheça o Painel Acionista: em um só lugar tudo o que você precisa saber sobre investimentos