Cintra: não é tributando com ‘nova CPMF’ que se vai conseguir R$ 120 bi

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tweet
Compartilhar no linkedin
Publique
Compartilhar no whatsapp
Encaminhe
Compartilhar no email
Envie

Newsletter

Tire dúvidas sobre investimentos

Receba notícias pelo Telegram

O ex-secretário especial da Receita Federal Marcos Cintra afirmou que o governo Bolsonaro não conseguirá alcançar a arrecadação de R$ 120 bilhões espera com a tributação de plataformas digitais a partir da criação de uma ‘nova CPMF’.

Para ele, a regressividade da CPMF pode ser facilmente resolvida com a tributação por meio de faixas. “A CPMF pode ser progressiva, o que nenhum imposto sobre consumo será”, disse, em Live promovida pelo BTG Pactual, na manhã desta quinta-feira, 13.

De acordo com Cintra, caso o governo adotasse a CPMF com uma alíquota de 0,33% poderia conseguir uma arrecadação de R$$ 220 bilhões a R$ 230 bilhões. Além disso, ele destacou que nesse patamar seria possível implementar a desoneração da folha.

“Eu prefiro uma alíquota cumulativa e baixa, como CPMF, do que IVA, que tem alíquota cavalar”, disse o ex-secretário. “A CPMF foi satanizada e demonizada. Vamos discutir. As vantagens desse tributo superam e muito suas desvantagens”, defendeu.

Advertência

Declaramos que o Portal Acionista.com.br não se responsabiliza pelas informações divulgadas neste site e qualquer outro canal, tanto referente às matérias de produção própria , quanto matérias ou análises produzidas por terceiros ou reproduzidas de links autorizados, publicados nas nossas páginas a partir de uma seleção criteriosa, porém sem garantir sua integralidade e exatidão.
Matérias e  análises produzidas por terceiros são de inteira responsabilidade dos mesmos. As informações, opiniões, sugestões, estimativas ou projeções referem-se a data presente e estão sujeitas à mudanças conforme as condições do mercado, sem prévio aviso.
Informamos, ainda, que o Acionista.com.br não faz qualquer recomendação de investimento e que, portanto, não se responsabiliza por perdas, danos, custos e lucros cessantes decorrentes de operações financeiras de qualquer tipo, enfatizando que as decisões sobre investimentos são pessoais.
Importante lembrar sempre: ganhos passados, não são garantia de ganhos futuros.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Leia também