Brasileiro de menor renda desconfia do Pix

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tweet
Compartilhar no linkedin
Publique
Compartilhar no whatsapp
Encaminhe
Compartilhar no email
Envie

Newsletter

Receba notícias por Whatsapp

Receba notícias pelo Telegram

PIX
Às vésperas de entrar em operação, o Pix (sistema de pagamentos e transferências eletrônicas do Banco Central) tem um desafio pela frente: convencer as classes C, D e E a usarem o serviço. Uma pesquisa da Fundação Getulio Vargas (FGV), divulgada com exclusividade para o Estadão, aponta que esses consumidores são os que menos confiam na ferramenta – e os que mais se queixam da falta de informação sobre como usá-la.

Esses brasileiros devem usar menos o Pix que as classes A e B. Embora nove em cada dez deles já tenham ouvido falar do sistema, 47,5% talvez não o usem por falta de informações.

A partir de segunda-feira, o Pix sairá da fase de testes e estará disponível 24 horas por dia, sete dias por semana, para transações instantâneas. Mais de 700 instituições, entre bancos, financeiras e fintechs, estão autorizadas a oferecer o serviço.

“O público das classes A e B tem mais acesso a sistemas de pagamentos eletrônicos. O BC tem divulgado o Pix pelos cotovelos, mas, muitas vezes, essa informação não chega de forma eficiente a quem não está acostumado a fazer essas operações”, avalia Adrian Cernev, professor do Centro de Estudos de Microfinanças e Inclusão Financeira, da FGV, um dos autores do estudo.

O pesquisador ressalta que a maioria dos serviços financeiros começa a ser ofertada para as classes A e B e só depois vai descendo a pirâmide. Com o Pix, não. É um serviço que nasce com a proposta de ser para todos. “Agora, o BC precisa fazer uma comunicação direcionada ao consumidor C, D e E.”

Vendedor ambulante, André Pacheco, de 42 anos, é um deles. Ele diz que pretende usar a ferramenta de pagamentos, mas que ainda tem muitas dúvidas de como o serviço irá funcionar. “Quero aprender a usar, pois muitos clientes irão perguntar se podem pagar por ele.”

Para Maurício Prado, diretor executivo da consultoria Plano CDE, a tendência é que a ferramenta seja “descoberta” no dia a dia. “É difícil explicar algo tão novo e diferente apenas pela comunicação. Melhor colocar no ar e deixar espalhar, e só então incentivar o uso quando ele estiver implementado”, diz.

Segundo o Banco Central, todos os seus canais de comunicação têm sido usados para levar informações sobre a ferramenta. “Nas próximas semanas, essas ações tendem a ser intensificadas por meio de campanhas informativas em diversos meios de comunicação.” As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Advertência

Declaramos que o Portal Acionista.com.br não se responsabiliza pelas informações divulgadas neste site e qualquer outro canal, tanto referente às matérias de produção própria , quanto matérias ou análises produzidas por terceiros ou reproduzidas de links autorizados, publicados nas nossas páginas a partir de uma seleção criteriosa, porém sem garantir sua integralidade e exatidão.
Matérias e  análises produzidas por terceiros são de inteira responsabilidade dos mesmos. As informações, opiniões, sugestões, estimativas ou projeções referem-se a data presente e estão sujeitas à mudanças conforme as condições do mercado, sem prévio aviso.
Informamos, ainda, que o Acionista.com.br não faz qualquer recomendação de investimento e que, portanto, não se responsabiliza por perdas, danos, custos e lucros cessantes decorrentes de operações financeiras de qualquer tipo, enfatizando que as decisões sobre investimentos são pessoais.
Importante lembrar sempre: ganhos passados, não são garantia de ganhos futuros.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email