BCE/Lagarde: perspctiva de curto prazo segue comprometida por incertezas da covid

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email

A presidente do Banco Central Europeu (BCE), Christine Lagarde, disse nesta quinta-feira (22) que a perspectiva de curto prazo da zona do euro segue comprometida por incertezas ligadas à pandemia de covid-19 e aos esforços de vacinação contra a doença.

Em coletiva de imprensa que se seguiu à decisão do BCE de manter sua política monetária inalterada, Lagarde ressaltou, porém, que a expectativa é de forte recuperação da atividade econômica da zona do euro ao longo de 2021, à medida que os esforços de vacinação progredirem e medidas de restrição forem retiradas.

Lagarde disse também que a inflação da região ganhou força nos últimos meses, graças a fatores temporários e a um aumento nos preços de energia, mas destacou que as pressões inflacionárias subjacentes permanecem contidas, num “contexto de significativa ociosidade e demanda ainda fraca”.

Christine Lagarde disse, ainda, que o BCE poderá recalibrar suas compras de ativos para sustentar a economia, se necessário. Mais cedo, em decisão de política monetária, o BCE afirmou que continuará comprando ativos por meio do programa emergencial conhecido como PEPP em ritmo consideravelmente mais rápido do que nos primeiros meses do ano.

Na coletiva de imprensa, Lagarde também comentou que, no médio prazo, a recuperação da zona do euro deverá se sustentada pela retomada da demanda global.

Lagarde disse ainda que os consumidores da zona do euro permanecem cautelosos em função da pandemia de covid-19, mas ressaltou que dados de alta frequência apontam para retomada da economia no segundo trimestre.

Em relação ao primeiro trimestre, Lagarde acredita que o Produto Interno Bruto (PIB) da região pode ter se contraído, uma vez que o aumento nos casos de covid-19 e adoção de medidas restritivas pesaram sobre a atividade econômica.

Inflação

A presidente do Banco Central Europeu projetou que a inflação na zona do euro “deve aumentar nos próximos meses”, com volatilidade ao longo do ano. Segundo ela, as pressões sobre os preços aumentarão em 2021, com o retorno gradual da demanda e da oferta, conforme a vacinação contra a covid-19 se dissemine e restrições à atividade sejam retiradas.

Lagarde comentou, porém, que ainda é necessário um “amplo grau de acomodação monetária” para sustentar a economia. Ela voltou a comentar que seria “prematuro” discutir a diminuição da compra de ativos pelo banco central agora e que o tema não esteve em pauta na reunião de hoje.

Segundo ela, essas decisões sobre compras de ativos não seguem um calendário, mas dependerão dos indicadores. Lagarde ainda comentou o “claro e significativo” aumento nas compras pelo Programa de Compras de Emergência na Pandemia (PEPP, na sigla em inglês) e disse que isso continuará a ocorrer.

A presidente do BCE voltou a enfatizar a importância de uma política fiscal “ambiciosa e coordenada” para apoiar a zona do euro. “Reiteramos a urgência de implementação do Fundo de Recuperação da UE”, disse, comentando, porém, que essa política fiscal deve ser “temporária e direcionada”, apenas para sustentar a retomada atual.

Lagarde ainda falou sobre os movimentos do euro. Como costuma fazer, ela reiterou que o BCE “não tem meta” para a taxa de câmbio, mas notou que a questão é “monitorada de perto” pela instituição.

Receba conteúdos diariamente por e-mail

Estadão Conteúdo

Estadão Conteúdo

"O Estado de S. Paulo" é o mais antigo dos jornais da cidade de São Paulo ainda em circulação . Em 4 de janeiro de 1875, ainda durante o Império, circulava pela primeira vez "A Província de S. Paulo" - seu nome original.

Você pode se interessar por

Publicidade

Receba notícias pelo Telegram

Leia também

Tire dúvidas sobre investimentos

Últimas atualizações sobre

Advertência

Declaramos que o Portal Acionista.com.br não se responsabiliza pelas informações divulgadas neste site e qualquer outro canal, tanto referente às matérias de produção própria , quanto matérias ou análises produzidas por terceiros ou reproduzidas de links autorizados, publicados nas nossas páginas a partir de uma seleção criteriosa, porém sem garantir sua integralidade e exatidão.
Matérias e  análises produzidas por terceiros são de inteira responsabilidade dos mesmos. As informações, opiniões, sugestões, estimativas ou projeções referem-se a data presente e estão sujeitas à mudanças conforme as condições do mercado, sem prévio aviso.
Informamos, ainda, que o Acionista.com.br não faz qualquer recomendação de investimento e que, portanto, não se responsabiliza por perdas, danos, custos e lucros cessantes decorrentes de operações financeiras de qualquer tipo, enfatizando que as decisões sobre investimentos são pessoais.
Importante lembrar sempre: ganhos passados, não são garantia de ganhos futuros.

Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com os nossos Termos de Uso e Política de Privacidade e, ao continuar navegando neste site, você declara estar ciente dessas condições.