Publicidade
Publicidade
Publicidade

Balanço de pagamentos fica em déficit no mês de outubro

Data da publicação

Empresa autorizada a distribuir informações financeiras das principais bolsas de valores do mundo. Reconhecida por sua tradição e excelência em captar cotações de ativos não negociados em bolsas, através de seu núcleo de Captação e Monitoração de Mercado. Disponibiliza, também, de forma ágil e rápida, notícias e análises relevantes para o mercado financeiro, produzidas pela Enfoque e seus parceiros.

Destaques

Data da publicação

As transações correntes do balanço de pagamentos foram deficitárias em US$ 4,5 bilhões em outubro de 2021, ante saldo negativo de US$ 1,2 bilhão em outubro de 2020, segundo dados do Banco Central (BC). Na comparação interanual, o superávit comercial diminuiu US$2,4 bilhões, o déficit em renda primária aumentou US$1,3 bilhão, e o déficit em serviços recuou US$207 milhões. Nos doze meses encerrados em outubro de 2021, o déficit em transações correntes somou US$26,7 bilhões (1,66% do PIB), ante US$23,4 bilhões (1,47% do PIB) em setembro de 2021, e US$23,3 bilhões (1,54% do PIB) em outubro de 2020.

A balança comercial de bens foi superavitária em US$1,3 bilhão em outubro de 2021, ante saldo positivo de US$3,7 bilhões em outubro de 2020. As exportações de bens totalizaram US$22,8 bilhões, aumento de 27,8% ante outubro de 2020, e as importações de bens somaram US$21,5 bilhões, incremento de 52,0% na mesma base de comparação.

Em outubro de 2021 o déficit na conta de serviços somou US$1,5 bilhão, redução de 12,4% em relação a outubro de 2020. A conta de viagens internacionais registrou despesas líquidas de US$265 milhões, ante US$103 milhões em outubro de 2020. As despesas líquidas de aluguel de equipamentos somaram US$602 milhões, redução de 28,7% na comparação com outubro de 2020, influenciada pela nacionalização de equipamentos no âmbito do Repetro. As despesas líquidas de transporte totalizaram US$536 milhões, ante US$194 milhões em outubro de 2020, associadas à expansão da corrente de comércio exterior.

Em outubro de 2021, o déficit em renda primária totalizou US$4,6 bilhões, ampliação de 38,9% comparativamente aos US$3,3 bilhões observados em outubro de 2020. As despesas líquidas de lucros e dividendos, associadas aos investimentos direto e em carteira, totalizaram US$3,7 bilhões, aumento de 58,6% em relação a outubro de 2020. As despesas líquidas com juros somaram US$899 milhões, ante US$975 milhões registrados em outubro de 2020.

Os ingressos líquidos em investimentos diretos no país (IDP) somaram US$2,5 bilhões em outubro de 2021, ante US$3,1 bilhões em outubro de 2020. Os ingressos líquidos em participação no capital atingiram US$3,0 bilhões e as operações intercompanhia registraram saídas líquidas de US$547 milhões. Nos doze meses encerrados em outubro de 2021, o IDP totalizou US$49,2 bilhões (3,06% do PIB), ante US$49,9 bilhões (3,13% do PIB) no mês anterior e US$45,9 bilhões (3,05% do PIB) em outubro de 2020.

Os investimentos em carteira no mercado doméstico totalizaram ingressos líquidos de US$1,5 bilhão em outubro de 2021, compostos por US$655 milhões em ações e fundos de investimento e US$802 milhões em títulos de dívida. Os ingressos líquidos de investimentos em carteira no mercado doméstico totalizaram US$38,0 bilhões nos doze meses finalizados em outubro de 2021.

Reservas internacionais

As reservas internacionais somaram US$367,9 bilhões em outubro de 2021, redução de US$959 milhões em comparação a setembro de 2021. O resultado decorreu de vendas à vista, US$500 milhões, e contribuição negativa das variações de preços, US$1,3 bilhão. A contribuição positiva das variações por paridades somou US$504 milhões, e a receita de juros totalizou US$423 milhões.

Balanço de pagamentos de 2020

Para 2020, a revisão das estatísticas do setor externo resultou em redução de US$1,4 bilhão do déficit em transações correntes, de US$25,9 bilhões (1,80% do PIB) para US$24,5 bilhões (1,70% do PIB). Essa revisão decorreu da variação na renda primária, cujo déficit foi revisto de US$39,7 bilhões para US$38,3 bilhões.

Na renda primária, a despesa total de lucros de investimento direto para 2020, apurada no Censo, atingiu US$27,4 bilhões, redução de US$1,3 bilhão comparativamente à estimativa anterior. Entretanto, ocorreu alteração na composição do lucro total. Houve aumento de US$5,6 bilhões nas despesas de lucros remetidos e redução de US$7,0 bilhões nas despesas de lucros reinvestidos.

Em relação à conta financeira, ocorreu revisão nos passivos de investimento direto e em carteira. A revisão das despesas de lucros reinvestidos reduziu nos mesmos US$7,0 bilhões o IDP em participação no capital, enquanto os ingressos líquidos em operações intercompanhia registraram ligeiro aumento, US$94 milhões. No total, a revisão reduziu o IDP em US$6,9 bilhões, passando a totalizar ingressos líquidos de US$37,8 bilhões (2,62% do PIB) ante US$44,7 bilhões (3,09% do PIB) anteriormente estimados. Quanto aos passivos de investimento em carteira, as saídas líquidas se mostraram menores em US$720 milhões, revistas de US$2,6 bilhões para US$1,9 bilhão.

Balanço de pagamentos de 2021

Para 2021, a revisão decorreu do aprimoramento das estimativas, que passaram a incorporar informações mais recentes da pesquisa CBE e de dados tempestivos declarados no RDE-IED e no RDE-ROF.

Nas transações correntes, a revisão mais significativa ocorreu nas estimativas de despesas de lucros de investimento direto, que aumentaram US$4,0 bilhões, de US$28,5 bilhões para US$32,6 bilhões, de janeiro a setembro de 2021. A revisão das receitas de lucro de investimento direto somou US$0,8 bilhão, de US$17,4 bilhões para US$18,2 bilhões. Por conseguinte, as despesas líquidas da renda primária aumentaram US$3,2 bilhões no período, revistas de US$33,1 bilhões para US$36,3 bilhões.

Nos demais componentes das transações correntes houve revisão apenas da balança comercial de bens, com redução de US$76 milhões no superávit comercial. Dessa forma, o déficit em transações correntes acumulado de janeiro a setembro de 2021 foi revisado de US$8,1 bilhões para US$11,3 bilhões, elevação de US$3,2 bilhões.

A revisão do IDP de janeiro a setembro de 2021 aumentou o ingresso líquido em US$2,6 bilhões, de US$40,7 bilhões para US$43,3 bilhões. Houve acréscimo de US$4,0 bilhões decorrente da revisão das estimativas de lucros reinvestidos, e redução de US$1,5 bilhão nos ingressos líquidos de operações intercompanhia. Neste último caso, as empresas de investimento direto informaram amortizações retroativas no sistema RDE-ROF, a maior parte em mercadorias.

Estimativas e parciais – novembro de 2021

Para o mês de novembro, a estimativa para o resultado em transações correntes é de déficit de US$7,8 bilhões, enquanto a de IDP é de ingressos líquidos de US$3,9 bilhões.


PARE DE SE CADASTRAR EM CADA CANTO

A transparência para as suas decisões de investimentos.

Encontre relatórios de instituições concorrentes, compare entre as sugestões e deixe de ter que se cadastrar em cada canto da internet para receber suas notificações preferidas.

Conheça o Clube Acionista, a plataforma que reúne recomendações de mais de 60 especialistas de mercado em um só lugar. A facilidade de não precisar sair procurando por boa informação em diferentes canais.

O CADASTRO É TOTALMENTE GRATUITO. APROVEITE!

Publicidade

A cobertura completa para atrair bons investimentos

Autor

Empresa autorizada a distribuir informações financeiras das principais bolsas de valores do mundo. Reconhecida por sua tradição e excelência em captar cotações de ativos não negociados em bolsas, através de seu núcleo de Captação e Monitoração de Mercado. Disponibiliza, também, de forma ágil e rápida, notícias e análises relevantes para o mercado financeiro, produzidas pela Enfoque e seus parceiros.

Receba informações do mercado financeiro no seu celular gratuitamente

Compartilhe esse post nas suas redes!

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email

Você pode se interessar por

Publicidade

Leia também

Publicidade

Advertência

Declaramos que o Portal Acionista.com.br não se responsabiliza pelas informações divulgadas neste site e qualquer outro canal, tanto referente às matérias de produção própria , quanto matérias ou análises produzidas por terceiros ou reproduzidas de links autorizados, publicados nas nossas páginas a partir de uma seleção criteriosa, porém sem garantir sua integralidade e exatidão. Matérias e  análises produzidas por terceiros são de inteira responsabilidade dos mesmos. As informações, opiniões, sugestões, estimativas ou projeções referem-se a data presente e estão sujeitas à mudanças conforme as condições do mercado, sem prévio aviso. Informamos, ainda, que o Acionista.com.br não faz qualquer recomendação de investimento e que, portanto, não se responsabiliza por perdas, danos, custos e lucros cessantes decorrentes de operações financeiras de qualquer tipo, enfatizando que as decisões sobre investimentos são pessoais.
Importante lembrar sempre: ganhos passados, não são garantia de ganhos futuros.

Publicidade

Telegram Acionista

Os principais destaques do mercado! A melhor cobertura.

Esse site usa cookies para personalizar o conteúdo, propagandas e acompanhar o tráfego de acordo com os nossos Termos de Uso e Política de Privacidade.