Após um século no País, Ford demite 5 mil e encerra produção de carros

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tweet
Compartilhar no linkedin
Publique
Compartilhar no whatsapp
Encaminhe
Compartilhar no email
Envie

Newsletter

Tire dúvidas sobre investimentos

Receba notícias pelo Telegram

A americana Ford pegou seus trabalhadores e o setor automotivo de surpresa ao anunciar nesta segunda, 11, em comunicado, o fim de mais de um século de história de produção de carros da marca no Brasil. A montadora, que já havia encerrado, em 2019, a produção de caminhões em São Bernardo do Campo, no ABC Paulista, comunicou que vai fechar as demais fábricas no País: Camaçari (BA), onde produz EcoSport e Ka; Taubaté (SP), de motores; e Horizonte (CE), responsável pelos jipes Troller. A decisão resultará na demissão de 5 mil funcionários diretos, sobretudo no Brasil, mas também na Argentina.

O grupo emprega no total 6,1 mil funcionários. Segundo a Ford, serão mantidos por aqui a sede administrativa da montadora na América do Sul, em São Paulo, o centro de desenvolvimento de produto, na Bahia, e o campo de provas de Tatuí (SP). Segundo sindicatos, contando os indiretos e os fornecedores, o impacto econômico do fim das atividades produtivas será bem maior do que as 5 mil demissões anunciadas pela Ford.

A Ford foi a primeira montadora a se instalar no País, em 1919, mas vinha enfrentando fortes quedas nas vendas no Brasil, realidade que foi acentuada pela pandemia da covid-19. A empresa vinha perdendo espaço para concorrentes. No acumulado de 2020, segundo a Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave), a fatia da montadora era de 7,14%, atrás de General Motors, Fiat, Volkswagen e Hyundai, considerando automóveis e comerciais leves. Há poucos anos a empresa tinha 12% de participação nas vendas.

Em 2020, foram emplacados no País cerca de 2 milhões de carros, segundo a Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea). A Ford foi responsável por 119,4 mil, considerando apenas os automóveis, queda de 39,7% em relação a 2019. O Ford Ka foi o sexto modelo mais vendido no Brasil no ano passado, aponta a Fenabrave. Em 2019, havia ocupado a segunda posição.

O fechamento das fábricas foi justificado pelos prejuízos acumulados no País desde 2013. A decisão deverá levar a um encolhimento da marca no País. As vendas do EcoSport e do Ka, por exemplo, serão encerradas assim que terminarem os estoques. A montadora diz que seguirá importando utilitários esportivos, picapes e veículos comerciais, e manterá assistência ao consumidor em vendas, serviços, peças e garantia.

Custos

A decisão de encerrar a produção no Brasil terá impacto financeiro de cerca de US$ 4,1 bilhões em despesas não recorrentes, disse a Ford. Do total, US$ 2,5 bilhões terão impacto direto no caixa do grupo americano, incluindo as rescisões a serem pagas aos trabalhadores.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Advertência

Declaramos que o Portal Acionista.com.br não se responsabiliza pelas informações divulgadas neste site e qualquer outro canal, tanto referente às matérias de produção própria , quanto matérias ou análises produzidas por terceiros ou reproduzidas de links autorizados, publicados nas nossas páginas a partir de uma seleção criteriosa, porém sem garantir sua integralidade e exatidão.
Matérias e  análises produzidas por terceiros são de inteira responsabilidade dos mesmos. As informações, opiniões, sugestões, estimativas ou projeções referem-se a data presente e estão sujeitas à mudanças conforme as condições do mercado, sem prévio aviso.
Informamos, ainda, que o Acionista.com.br não faz qualquer recomendação de investimento e que, portanto, não se responsabiliza por perdas, danos, custos e lucros cessantes decorrentes de operações financeiras de qualquer tipo, enfatizando que as decisões sobre investimentos são pessoais.
Importante lembrar sempre: ganhos passados, não são garantia de ganhos futuros.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Leia também

Conheça o Painel Acionista: em um só lugar tudo o que você precisa saber sobre investimentos