Alta da inflação pode romper ciclo de cortes na Selic?

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tweet
Compartilhar no linkedin
Publique
Compartilhar no whatsapp
Encaminhe
Compartilhar no email
Envie

Newsletter

Receba notícias por Whatsapp

Receba notícias pelo Telegram

 “A inflação subindo de maneira controlada nesse momento significa um reaquecimento da economia e será bastante positivo para o país”

Dados divulgados na manhã desta sexta-feira, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostraram que a inflação, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), avançou 0,26% em junho, após 0,38% em maio e 2 meses seguidos de queda. Ou seja, um período de variações negativas média de preços, e assim, há uma deflação. Além disso, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), que mede a variação dos preços para as famílias com renda de 1 a 5 salários mínimos e chefiados por assalariados, teve elevação de 0,30% em junho, após recuo de 0,25% em maio. Dessa forma, o índice acumula uma elevação de 0,36% ao ano. Com resultados acima do esperado em relação à economia brasileira, o IPCA de junho deve consolidar projeções para a taxa de juros e apostas de mais cortes diminuíram.

Daniela Casabona, Sócia-Diretora da FB Wealth, explica que, a expectativa sobre o IPCA era um número positivo depois de meses em baixa. “O número de junho é um ótimo termômetro para entender o impacto das medidas econômicas e abertura do comércio em meio a pandemia. Quanto mais alto vier, melhor para a economia, e principalmente para nossa moeda, que tem sofrido um deságio forte com a fraca atuação do Banco Central, e pode romper o ciclo de queda da taxa de juros. O INPC está relacionado ao IPCA de maneira que ele mede o preço médio de um conjunto de coisas que observa a tendência da inflação. A inflação subindo de maneira controlada nesse momento significa um reaquecimento da economia e será bastante positivo para o país e pode principalmente impactar no PIB deste ano”, complementa.

O Economista-Chefe da Nova Futura Investimentos, Pedro Paulo Silveira, ressalta que, as expectativas do mercado estavam perto de 0,30%, acumulando 2,16% em 12 meses. “É uma inflação baixa para os padrões do Brasil e reflete o enorme choque da covid-19 sobre a economia brasileira. O IPCA tem a possibilidade de subir nos próximos meses, à medida que a economia for sendo retomada e que os agentes normalizam a demanda nacional. Mas esse movimento não será agressivo. Acredito em um IPCA na casa dos 1,80% para 2020. O Banco Central deve continuar com sua política de juros baixos, já que a inflação tende a se manter baixa”, finaliza.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Publicidade

Leia também

Destaques da bolsa ativos durante o pregão - das 10h as 17h - Fonte: Google Finance - delay aprox. de 20 min.

*Dados inativos fora do horário do pregão.

Agruras e expectativas da reforma tributária

Por: Nelson Tucci

Toda segunda-feira

Agruras e expectativas da reforma tributária

Por: Nelson Tucci

Toda segunda-feira