MANHÃ DO MERCADO: IPCA e PMS calibram apostas nos juros

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tweet
Compartilhar no linkedin
Publique
Compartilhar no whatsapp
Encaminhe
Compartilhar no email
Envie

Newsletter

Receba notícias por Whatsapp

Receba notícias pelo Telegram

Terra

CENÁRIO EXTERNO: VÍRUS EM FOCO

Mercados… Mercados asiáticos encerraram a semana em tom negativo, após um movimento de venda iniciado por fundos ligados ao governo chinês sinalizar que autoridades buscam desacelerar o ritmo de valorizações do mercado. Por lá, a bolsa de Xangai freou a sequência de 8 pregões consecutivos de alta com um desempenho de -2,0% na sessão. Na zona do euro, ativos de risco sustentam altas modestas, com o Stoxx 600, índice que abrange uma gama de ativos ao redor do continente europeu, avançando 0,6% até o momento. Nos EUA, futuros de NY continuam operando de forma volátil; oscilando em torno do zero a zero enquanto o dólar (DXY) se mantêm estável contra seus principais pares. No plano das commodities, ativos também se movimentam sem direções claras. O preço do petróleo (Brent Crude) recua 1,5%, voltando a ser negociado abaixo dos R$ 42,00/barril.

Mais do mesmo… Em manhã de poucas novidades, mercados globais iniciaram mais uma sessão sem grandes movimentações. Enquanto um noticiário corporativo mais positivo joga a favor dos índices de mercado europeus, a pausa nas altas que vinham sendo verificadas na China e o avanço agressivo da covid-19 nos EUA fizeram com que os índices futuros de NY amanhecessem no vermelho. A cautela dos últimos dias permanece ditando o ritmo em alguns mercados, com o rendimento das treasuries voltando a cair (movimento que decorre de um aumento da demanda pelos títulos) e o ouro se mantendo acima do patamar de US$ 1.810/oz.

Vírus em foco… O número de novos casos de coronavírus nos EUA atingiu 61.791 nesta 5ªf, superando o limiar de 60 mil novas infecções pela primeira vez desde o início da pandemia. Os estados localizados no chamado cinturão do sol (sul e sudeste do país) são os mais afetados pela nova onda, com Texas, Florida; California e Arizona relatando recordes no número de mortes por complicações relacionadas à doença. A pressão que o ressurgimento da pandemia tem colocado sobre o sistema de saúde na região já levou à reversão do relaxamento das medidas de distanciamento e, mesmo que um lockdown nacional seja improvável, o fechamento pontual dos negócios ao redor do país também configura-se como uma ameaça para a retomada econômica. Simultaneamente, relatos de novos focos da doença na Ásia, em países que pareciam ter superado o vírus há meses (China e Japão), corroboram essa preocupação. A cidade de Hong Kong se prepara para fechar escolas de forma a conter o que parece ser a chegada da 2ª onda da covid-19 por lá.

Agenda… A agenda internacional conta com a divulgação do Índice de Preços ao Produtor (PPI, na sigla em inglês) de junho nos Estados Unidos. A mediana das projeções de mercado (Bloomberg) aponta para um avanço de 0,4% do preços no mês; resultado que ainda configuraria uma deflação da ordem de 0,2% com relação ao mesmo período no ano passado.

BRASIL: IPCA E PMS CALIBRAM APOSTAS NOS JUROS

Guedes quer reiniciar debates em torno da reforma tributária com ou sem o governo… O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), revelou que pretende retomar o debate em torno da reforma tributária na próxima semana independente do interesse do governo e do ministro Paulo Guedes (Economia). O demista compartilhou em um evento realizado ontem que não tem discutido a reforma tributária com Guedes recentemente. Na semana passada, Guedes revelou que a proposta do governo para esta reforma já está pronta, mas ainda não foi enviada ao Congresso.

Várias propostas… A expectativa é que as propostas do Senado, Câmara e do governo devem convergir para um único projeto que tramitará pelo Congresso ainda este ano. A reforma tributária está entre as pautas prioritárias para o presidente da Câmara, cujo mandato se encerra em fevereiro do ano que vem. A proposta quase certamente incluirá um novo imposto sobre lucro e dividendos e alterações à alíquota do imposto de renda para PJs.

Candidato à presidência da Câmara defende teto dos gastos… O deputado Artur Lira (PP-AL), uma das principais lideranças do Centrão e nome cotado para suceder Rodrigo Maia na presidência da Câmara; apontou a atualização do programa assistencialista Renda Brasil como uma das prioridades imediatas após a retomada das atividades presenciais do Congresso. O deputado defendeu que o sucessor do Bolsa Família, que deve aumentar a quantia distribuída aos beneficiados e contemplar os trabalhadores informais, seja concebido sem desconsiderar o teto de gastos ou a lei de responsabilidade fiscal. Lira também citou a reforma tributária, um novo tributo sobre transações financeiras e a privatização da Eletrobras como assuntos que devem ser tratados pelo Legislativo Federal ainda este ano.

Setor do turismo soma perdas de R$ 122 bi durante quarentena… Durante a quarentena (março-junho), o setor de turismo já acumulou perdas que somam mais de R$122 bi. O cálculo foi divulgado pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC). A entidade estima que o setor só deve apresentar resultados nos patamares pré-crise (2019) em 2023. Segundo a FGV, as perdas registradas em 2020 e 2021 só devem ser recuperadas no fim de 2025. Atualmente, o setor opera com cerca de 15% da sua capacidade.

Queiroz em prisão domiciliar… O Supremo Tribunal de Justiça concedeu à Fabrício Queiroz, ex-assessor do senador Flavio Bolsonaro, o direito de cumprir prisão preventiva em seu domicílio. A concessão do habeas corpus foi embasada na sugestão do Conselho Nacional da Justiça que sugere a revisão da prisão de pessoas que não cometeram crimes violentos em razão do presente surto de coronavírus que ocorre no sistema carcerário brasileiro. O fato de que Queiroz está atualmente tratando de um câncer de cólon também influenciou a decisão. O mesmo benefício foi concedido a sua esposa, Márcia Aguiar, que ainda se encontra foragida. As circunstâncias mais confortáveis da sua pena devem reduzir a pressão sobre o ex-assessor para delatar o seu antigo chefe no caso das supostas “rachadinhas”.

Na agenda… A agenda econômica é o principal destaque desta manhã para os mercados; com a divulgação do volume do setor de serviços (PMS – IBGE) em maio e a inflação ao consumidor (IPCA) em junho, às 9h. Em relação ao setor de serviços, esperamos uma recuperação da ordem de 3,6% na margem, resultado que ainda representaria uma contração de 14,5% na comparação com maio de 2019. Já para o IPCA, projetamos a retomada de um movimento de alta dos preços em junho, com inflação de 0,3% no mês. Com este resultado, a inflação acumulada em 12 meses avançaria para 2,17% dos 1,88% registrados no mês de maio. Ambos os dados serão importantes na avaliação do ritmo de retomada da economia brasileira após o relaxamento das medidas de distanciamento e; consequentemente, ajudarão investidores a calibrar apostas com relação à próxima decisão de taxa de juro do Copom.

E os mercados hoje?… Mercados globais amanheceram mistos em mais uma sessão: bolsas americanas recuam com salto no número de mortes pela covid-19 no país enquanto índices europeus sustentam altas modestas. Na Ásia, o mercado chinês pausa uma sequência de 8 sessões consecutivas de alta após um movimento de venda iniciado por fundos ligados ao governo sinalizarem que as autoridades buscam reduzir o ritmo de valorização do mercado. Por aqui, as atenções se voltam para a divulgação do volume de serviços em maio e do IPCA de julho, às 9h. Os dados servirão para calibrar as expectativas do mercado com relação à recuperação econômica e ao movimento da taxa de juro na reunião do Copom de agosto. Assim, avaliando o movimento externo até o momento, esperamos um dia de viés neutro/positivo para ativos locais, que ainda terão seus desempenhos condicionados à agenda econômica do dia.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Publicidade

Leia também

Destaques da bolsa ativos durante o pregão - das 10h as 17h - Fonte: Google Finance - delay aprox. de 20 min.

*Dados inativos fora do horário do pregão.

A vez dos Títulos Sustentáveis no Brasil

Por: Nelson Tucci

Toda segunda-feira

A vez dos Títulos Sustentáveis no Brasil

Por: Nelson Tucci

Toda segunda-feira