Ações da Oi (OIBR3 e OIBR4): Por que houve queda após assembleia?

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tweet
Compartilhar no linkedin
Publique
Compartilhar no whatsapp
Encaminhe
Compartilhar no email
Envie

Newsletter

Tire dúvidas sobre investimentos

Receba notícias pelo Telegram

Na última terça-feira, após mais de 12 horas de negociação, finalmente a Oi (OIBR3 e OIBR4) e os credores, em especial os grandes bancos como Banco do Brasil (BBAS3), Itaú (ITUB4) e a Caixa Econômica Federal, chegaram a um entendimento.

Basicamente, o principal item, que era o desconto de 60% da dívida das grandes instituições financeiras, caiu para 55% de deságio, algo que pode ser considerado uma vitória para a empresa.

O mais importante é que a Oi será dividida em várias partes e quase todas serão vendidas. Somente a telefonia móvel, que agora o consórcio TIM (TIMP3), Vivo (VIVT4) e Claro conta com a preferência, tem um valor entre R$ 16,5 bilhões e R$ 20 bilhões.

Oi

Novo foco da Oi (OIBR3 e OIBR4)

O novo foco da empresa estará em ter uma ampla rede de fibra óptica. Pouca gente está se atentando, mas a revolução neste segmento já está acontecendo.

A Oi terminou junho com 1,3 milhão de clientes banda larga, crescimento de mais de 5 vezes em relação a 2019.

Por estes números, é possível ter uma pequena ideia de seu potencial neste segmento. Além disso, um novo sócio deve injetar entre R$ 20 bilhões e R$ 30 bilhões.

O que parece inexplicável é que, se já era esperado que a Assembleia Geral de Credores (AGC) realmente ocorresse com grandes expectativas de um desfecho favorável à Oi, por que as ações caíram no dia seguinte?

Sobem no boato e caem no fato

Confesso que, apesar de meus 15 anos trabalhando no mercado financeiro, eu também acreditava que as ações subiriam com força com um resultado positivo.

Porém, voltou a ocorrer um movimento conhecido na B3 (B3SA3).

As ações sobem no boato e caem no fato. Ou seja, os investidores compram os papéis já acreditando no desfecho e, quando acontece, eles vendem e colocam o lucro no bolso.

Isso não é novidade. No impeachment da Dilma Rousseff, quando sua governabilidade já não existia mais, ocorreu a mesma coisa.

No pregão seguinte ao impeachment, a Bolsa caiu, enquanto que, na teoria, ela deveria ter disparado. Mais uma vez os investidores já “sabiam” que teria uma troca de presidente da República.

OIBR3: os investidores

Portanto, os investidores das ações da Oi (OIBR3 e OIBR4) não precisam ficar preocupados. Pelo menos não em relação à queda dos papéis um dia após uma grande vitória para a empresa.

Agora, o cenário começa a ficar bem mais claro e isso reflete em maior segurança para os investidores e, principalmente, para os analistas que fazem suas carteiras recomendadas.

O que definirá se a Oi irá deslanchar ou não é a efetivação de seu plano, tanto na expansão de fibra, quanto na venda de grandes ativos, como a telefonia móvel.

Assim como o Brasil, investir na Oi não é para amadores.

Veja OIBR3 na Bolsa:

Advertência

Declaramos que o Portal Acionista.com.br não se responsabiliza pelas informações divulgadas neste site e qualquer outro canal, tanto referente às matérias de produção própria , quanto matérias ou análises produzidas por terceiros ou reproduzidas de links autorizados, publicados nas nossas páginas a partir de uma seleção criteriosa, porém sem garantir sua integralidade e exatidão.
Matérias e  análises produzidas por terceiros são de inteira responsabilidade dos mesmos. As informações, opiniões, sugestões, estimativas ou projeções referem-se a data presente e estão sujeitas à mudanças conforme as condições do mercado, sem prévio aviso.
Informamos, ainda, que o Acionista.com.br não faz qualquer recomendação de investimento e que, portanto, não se responsabiliza por perdas, danos, custos e lucros cessantes decorrentes de operações financeiras de qualquer tipo, enfatizando que as decisões sobre investimentos são pessoais.
Importante lembrar sempre: ganhos passados, não são garantia de ganhos futuros.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Leia também