Acertos e decepções do terceiro trimestre

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email

Algumas empresas estão surfando bem na recuperação gradativa da economia brasileira, mas outras ainda decepcionam os investidores. Veja abaixo três frustrações e três desempenhos que receberam aplausos do mercado. As fontes para a classificação das ações são a Refinitiv, que realiza compilações das projeções de analistas, e a Suno Research.

Poderia ter sido melhor

B3 (B3SA3)– Ainda que a operadora do mercado de capitais brasileiro tenha anunciado lucro de R$ 851 milhões no terceiro trimestre, alta de 38,7% ante mesma etapa de 2018, o resultado ficou abaixo da previsão média de analistas compilada pela Refinitiv, de R$ 873,9 milhões. No entanto, a diretoria da B3 preferiu valorizar o desempenho e considerou os resultados positivos, destacando os volumes recordes em ações e derivativos listados, além de mais de R$ 70 bilhões em ofertas de ações no ano.

Ambev (ABEV3) – A fabricante de bebidas registrou queda de 9,7% no lucro líquido em comparação ao mesmo período de 2018, gerando decepção em boa parte do mercado – no dia da divulgação, as ações ordinárias abriram em queda de quase 6%. Conforme a Suno Research, um dos fatores que travou os resultados foi o avanço de quase 20% nos custos totais dos produtos, que chegou a R$ 5,23 bilhões. O valor foi influenciado, principalmente, por pressões inflacionárias na Argentina, taxa de câmbio e preços mais altos de commodities.

Cielo (CIEL3) – Os resultados pouco empolgantes da Cielo parecem longe do fim. A maior empresa de meios de pagamentos do país anunciou que teve lucro líquido de R$ 358,1 milhões no terceiro trimestre, queda de 51,7% na comparação com igual etapa de 2018. O número veio abaixo da previsão média de analistas da Refinitiv, de R$ 376,6 milhões. A receita líquida consolidada teve queda de 5,5%, “impactadas pela pressão nos preços médios decorrente do ambiente competitivo e pelo aumento do business de venda de soluções de captura”, afirmou a companhia em relatório.

Agradaram

Petrobras (PETR4)A estatal voltou a mostrar que caminha firme para se tornar um porto mais aprazível aos investidores. A empresa encerrou o terceiro trimestre de 2019 com R$ 9,087 bilhões de lucro líquido, alta de 36,8% em relação ao mesmo período do ano passado. Conforme a Suno Research, o resultado foi influenciado pelo aumento da produção em suas atividades e pela conclusão do follow-on das ações da BR Distribuidora e da TAG.

“Isso está de acordo com a estratégia da companhia, que é desinvestimentos em setores que não sejam de exploração e produção em águas profundas, como o pré-sal”, afirmou Rodrigo Wainberg, analista de renda variável da Suno Research.

Cyrela (CYRE3) – Depois do pesado prejuízo no terceiro trimestre do ano passado, a construtora atendeu às expectativas de investidores em meio à retomada do setor no Brasil e voltou ao azul no trimestre passado. A Cyrela anunciou lucro líquido de R$ 104 milhões no terceiro trimestre, ante prejuízo de R$ 121 milhões em igual período de 2018 e acima da previsão média de analistas compilada pela Refinitv, de R$ 76,5 milhões.

Vale (VALE3) – A mineradora registrou um lucro líquido de R$ 6,461 bilhões no terceiro trimestre deste ano. O resultado reverteu o prejuízo de R$ 519 milhões dos três meses anteriores. Em relação ao mesmo período de 2018, a alta no lucro foi de 17,47%. A mineradora atribuiu a reversão ao efeito da contabilização das despesas com Brumadinho no segundo trimestre, além de medidas preventivas tomadas em outras barragens. Conforme a Suno Research, o mercado reagiu positivamente, e as ações subiram 2,42% nas primeiras horas após o anúncio do resultado.

Receba conteúdos diariamente por e-mail

Grazieli Binkowski

Grazieli Binkowski

Grazieli Binkowski tem 37 anos, é mãe do Miguel, com quase 3 anos, esposa do Erik há mais de uma década, e mãe do Yorkshire Lilo, com 12 anos. Vive em Porto Alegre (RS), gosta de ler (quase de tudo), curte jazz, vinhos e é apaixonada pela cultura francesa. É Jornalista, formada pela PUCRS, com uma especialização em Gestão Empresarial pela UFRGS. Tem transitado pelo mercado financeiro desde a universidade, quando começou a colaborar com o Acionista.com.br. Também tem uma história longa com Organizações Não Governamentais. Acredita que a profissão que escolheu não é só um ganha pão. E essa impressão tem ficado cada vez mais forte ao passar dos anos. E foi por isso que surgiu o Mulheres em Ação.

Você pode se interessar por

Publicidade

Receba notícias pelo Telegram

Leia também

Tire dúvidas sobre investimentos

Últimas atualizações sobre

Advertência

Declaramos que o Portal Acionista.com.br não se responsabiliza pelas informações divulgadas neste site e qualquer outro canal, tanto referente às matérias de produção própria , quanto matérias ou análises produzidas por terceiros ou reproduzidas de links autorizados, publicados nas nossas páginas a partir de uma seleção criteriosa, porém sem garantir sua integralidade e exatidão.
Matérias e  análises produzidas por terceiros são de inteira responsabilidade dos mesmos. As informações, opiniões, sugestões, estimativas ou projeções referem-se a data presente e estão sujeitas à mudanças conforme as condições do mercado, sem prévio aviso.
Informamos, ainda, que o Acionista.com.br não faz qualquer recomendação de investimento e que, portanto, não se responsabiliza por perdas, danos, custos e lucros cessantes decorrentes de operações financeiras de qualquer tipo, enfatizando que as decisões sobre investimentos são pessoais.
Importante lembrar sempre: ganhos passados, não são garantia de ganhos futuros.

Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com os nossos Termos de Uso e Política de Privacidade e, ao continuar navegando neste site, você declara estar ciente dessas condições.