Publicidade
Publicidade

Mulheres em Ação

A importância dos aspectos ESG nos Relatórios Anuais

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email

Qual o objetivo de um Relatório Anual que incorpore aspectos ESG (Environmental, Social and Governance)? Até o início dos anos 2000, os Relatórios Anuais tinham como foco apresentar os resultados econômico-financeiros e os principais dados operacionais do ano anterior. Duas décadas depois, os Relatórios Anuais deixaram de ser apenas uma fotografia do passado, passaram a integrar cada vez mais informações não financeiras e a serem fonte de consulta quanto à estratégia, os compromissos e as metas das companhias para os próximos anos.

Com o “boom” da temática ESG em 2020, que incorporou um forte viés econômico-financeiro em função da inclusão crescente do tema nas decisões de investimento, as empresas estão buscando cada vez mais demonstrar como estão alinhadas às melhores práticas ambientais, sociais e de governança corporativa.

Publicidade

Acesse todas as carteiras, além de agendas e análises de mercado completas

E como demonstrar o alinhamento entre as questões relacionadas à ESG e a estratégia da companhia? Como avaliar se de fato as ações são perenes? Como garantir que os resultados obtidos sejam de longo prazo? Como demonstrar a geração de valor compartilhado entre empresa e sociedade?

Publicidade




Desde 2006, o padrão mais utilizado pelas Companhias para o reporte é o estabelecido pela Global Reporting Initiative (GRI), que tem como base a definição dos temas materiais a serem reportados, que passa pela análise da cadeia de valor da empresa e pelo mapeamento de impactos, necessidades e expectativas de seus stakeholders (partes interessadas).

Publicidade

Atraia bons investimentos para índices futuros, opções e ações

As Normas GRI, ao apresentarem princípios que definem o passo-a-passo para que as Companhias incorporem os aspectos sociais, ambientais e de governança ao seu modelo de negócio, devem ser vistas não somente como um padrão para reporte de indicadores, mas também como um direcionador para um modelo de gestão voltado para a temática ESG.

A partir de 2013, quando surgiu o conceito de Relato Integrado, as empresas se viram impelidas a  tratar de forma integrada as informações financeiras e não financeiras em suas divulgações, tendo como principal direcionador explicar aos provedores de capital financeiro como uma organização gera ou destrói valor ao longo do tempo, gerando subsídios para a tomada de decisões.

Assim, adotar os aspectos ESG na gestão inclui também verificar a coerência entre os conteúdos divulgados nos diversos relatos da companhia. O pensamento integrado demanda a integração de áreas, como, por exemplo, Sustentabilidade, Relações com Investidores, Planejamento, Comunicação, Governança e Contabilidade, para que as decisões, as análises, a coleta de dados e as divulgações sejam realizadas de forma coesa.

Importante ressaltar que as Normas GRI abordam os diversos aspectos tratados nos frameworks existentes, sejam eles relacionados a reportes associados aos impactos da mudança do clima, como CDP1 e Task Force on Climate-related Financial Disclosures (TCFD)2, por exemplo, quanto a reportes relacionados a impactos setoriais, como os preconizados pelo Sustainability Accounting Standards Board (SASB)3.

Sendo assim, ao utilizar as Normas GRI como padrão para reporte e atender aos princípios e orientações propostos, a Companhia estará atendendo também às diversas demandas e frameworks, pois os padrões não são excludentes e sim complementares. E, ao integrar de fato os aspectos ESG em sua gestão e ao pensar seus indicadores de forma integrada, as empresas estarão aptas a divulgar de forma adequada, completa e transparente seus processos e resultados obtidos.

Como dito no próprio Framework do Relato Integrado, “quanto mais o pensamento integrado estiver incorporado às atividades de uma organização, mais naturalmente a conectividade das informações fluirá para os relatórios gerenciais, análises e tomadas de decisão”.

Referências:

1 O CDP é uma entidade internacional sem fins lucrativos que que apoia empresas a dar maior transparência sobre seus impactos ambientais e climáticos. O questionário do CDP aborda diversas questões relacionadas à mudança do clima, tais como: responsabilidades, riscos, oportunidades, estratégia, ações realizadas, emissões anuais de gases de efeito estufa etc.
2 Iniciativa que elaborou recomendações para a divulgação e análise de riscos e oportunidades relacionados à mudança do clima.
3 SASB é uma organização sem fins lucrativos, fundada em 2011, que define padrões setoriais para comunicação dos temas mais relevantes considerando aspectos financeiros e de sustentabilidade

Por Regiane Abreu

Especialista em sustentabilidade, com mais de 25 anos de experiência no Setor Elétrico com atuação nas áreas de regulação, estratégia, sustentabilidade e RI. Economista pela UFRJ, com MBA em Gestão de Negócios para o Setor Elétrico pelo IBMEC/RJ, MBE em Economia e Gestão para a Sustentabilidade pela UFRJ e Pós-graduação em Eficiência Energética pelo CEFET/RJ. Trabalha a integração dos aspectos ESG ao negócio e às informações financeiras, sendo responsável pelos reportes e plano de ação ESG da Light S.A. na área de Relações com Investidores. 

IBRI Mulheres

IBRI Mulheres

O grupo é idealizado pelas lideranças femininas do Instituto Brasileiro de Relações com Investidores (IBRI) e tem entre seus objetivos: contribuir para disseminação da perspectiva da mulher profissional de RI (Relações com Investidores); abordar temas relacionados ao papel da mulher no mundo corporativo; ampliar o engajamento das mulheres no IBRI; e facilitar a integração e a equidade de gênero. gênero entre profissionais de RI.

Newsletter Mulheres em Ação

Cadastre-se e receba semanalmente as novidades da página e dicas de conteúdos exclusivos.

Você pode se interessar por

Publicidade

Leia também

Acionista consome. Acionista investe.

Você consome das
empresas em que investe?

Receba notícias pelo Telegram

Publicidade

Advertência

Declaramos que o Portal Acionista.com.br não se responsabiliza pelas informações divulgadas neste site e qualquer outro canal, tanto referente às matérias de produção própria , quanto matérias ou análises produzidas por terceiros ou reproduzidas de links autorizados, publicados nas nossas páginas a partir de uma seleção criteriosa, porém sem garantir sua integralidade e exatidão. Matérias e  análises produzidas por terceiros são de inteira responsabilidade dos mesmos. As informações, opiniões, sugestões, estimativas ou projeções referem-se a data presente e estão sujeitas à mudanças conforme as condições do mercado, sem prévio aviso. Informamos, ainda, que o Acionista.com.br não faz qualquer recomendação de investimento e que, portanto, não se responsabiliza por perdas, danos, custos e lucros cessantes decorrentes de operações financeiras de qualquer tipo, enfatizando que as decisões sobre investimentos são pessoais.
Importante lembrar sempre: ganhos passados, não são garantia de ganhos futuros.

Publicidade

Parabéns!
Cupom de Desconto Descoberto!

Cupom: BEMVINDO10

Não vá embora ainda!

Conheça nosso Clube exclusivo e gratuito

Esse site usa cookies para personalizar o conteúdo, propagandas e acompanhar o tráfego de acordo com os nossos Termos de Uso e Política de Privacidade.