Publicidade
Publicidade

A importância da empresa familiar

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email

Das quase oito milhões de empresas brasileiras em atuação, 90% são familiares. O modelo familiar de gestão empresarial, que ainda é o pilar da nossa economia, que transfere para a fria e objetiva esfera profissional as intensas relações entre membros de uma família.

No Brasil, o peso da empresa familiar é muito alto. Ao contrário do que aponta a tendência norte-americana de pulverização do controle das empresas, que ocorre em função da necessidade crescente de capital de terceiros para financiar o crescimento. O perfil industrial brasileiro ainda se apresenta concentrado nas mãos de poucos indivíduos, principalmente de grupos familiares.

Publicidade





Dos 300 maiores grupos privados nacionais, 287 são controlados por uma ou mais famílias, 130 estão localizadas no estado de São Paulo e são responsáveis por aproximadamente dois milhões de empregos diretos e possuem, no conjunto, um patrimônio líquido da ordem de 40 bilhões de dólares.

Grupo Votorantim, Pão de Açúcar (cuja administração já foi profissionalizada), Coteminas e Organizações Globo são alguns exemplos de grandes grupos familiares no Brasil.

A linha de pesquisa mais popular na literatura sobre empresa familiar é a que aborda o processo sucessório. Pois é ele quem dará continuidade a essas empresas familiares.

Publicidade





No começo do século XXI, somente nos Estados Unidos existiam 40 institutos de pesquisa ligados a grandes universidades estudando as empresas familiares e suas características.

Tanto material acadêmico tem uma explicação: as estatísticas são muito pessimistas no que diz respeito à sobrevivência dessas empresas após a morte da primeira geração de empreendedores. Sabe-se que apenas 24% das empresas familiares no Reino Unido sobrevivem como tais até a segunda geração, e somente 14% conseguem ir além da terceira.

Nos Estados Unidos, estimativas indicam que 70% delas são liquidadas ou vendidas após a morte de seus fundadores. No Brasil, pesquisas realizadas em 2002 indicavam que, de cada 100 fortunas de famílias brasileiras, apenas 18 foram herdadas.

Publicidade
Domingos Ricca

Domingos Ricca

Sócio-Diretor da Ricca & Associados Consultoria e Treinamento, Conselheiro Fiesp e Conselheiro do COMPI - Conselho Superior da Micro, Pequena e Média Indústria , sócio da Revista Empresa Familiar. Consultor especializado em Empresas Familiares. Certificado em Governança Corporativa pela SQS Suíça e Fundação Vanzolini. Idealizador e apresentador do Programa Vida de Empresário.

Você pode se interessar por

Publicidade

Leia também

Acionista consome. Acionista investe

Você como Acionista, consome da
empresa que investe?

Publicidade

Tire dúvidas sobre investimentos

Publicidade

Advertência

Declaramos que o Portal Acionista.com.br não se responsabiliza pelas informações divulgadas neste site e qualquer outro canal, tanto referente às matérias de produção própria , quanto matérias ou análises produzidas por terceiros ou reproduzidas de links autorizados, publicados nas nossas páginas a partir de uma seleção criteriosa, porém sem garantir sua integralidade e exatidão. Matérias e  análises produzidas por terceiros são de inteira responsabilidade dos mesmos. As informações, opiniões, sugestões, estimativas ou projeções referem-se a data presente e estão sujeitas à mudanças conforme as condições do mercado, sem prévio aviso. Informamos, ainda, que o Acionista.com.br não faz qualquer recomendação de investimento e que, portanto, não se responsabiliza por perdas, danos, custos e lucros cessantes decorrentes de operações financeiras de qualquer tipo, enfatizando que as decisões sobre investimentos são pessoais.
Importante lembrar sempre: ganhos passados, não são garantia de ganhos futuros.

Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com os nossos Termos de Uso e Política de Privacidade e, ao continuar navegando neste site, você declara estar ciente dessas condições.