À espera por EUA-China, Ibovespa tenta segundo dia de recuperação

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tweet
Compartilhar no linkedin
Publique
Compartilhar no whatsapp
Encaminhe
Compartilhar no email
Envie

Newsletter

Receba notícias por Whatsapp

Receba notícias pelo Telegram

Ibovespa

Investidores adotam certa cautela antes da divulgação da assinatura do acordo comercial preliminar entre Estados Unidos e China, aguardada para a quarta-feira, 15. As bolsas internacionais têm quedas moderadas nesta terça-feira, 14. O Ibovespa também iniciou o dia em baixa, mas há pouco passou a subir, tentando dar sequência ao segundo dia seguido de alta, mas de forma moderada.

Ontem, a Bolsa fechou em alta de 1,58%, aos 117.325,28 pontos, interrompendo uma série de seis pregões seguidos de desvalorização.

A mudança de sinal na B3 coincidiu com a divulgação dos dados de inflação nos EUA e da revisão para cima na projeção para Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil. Em Nova York, os índices futuros também diminuíram as perdas.

O Ministério da Economia informou nesta terça que elevou a projeção para a alta do Produto Interno Bruto (PIB) deste ano, de 2,32% para 2,40%. Para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), a projeção do governo é que feche o ano em 3,62%, ante estimativa anterior de 3,53%.

Nos Estados Unidos, a inflação ao consumidor atingiu 0,2% em dezembro ante novembro, ficando abaixo da previsão de 0,3% de analistas. O núcleo do indicador, por sua vez, ficou e, 0,1%, na comparação com projeção de 0,2%.

O Citigroup informou lucro líquido de US$ 5 bilhões no quarto trimestre, equivalente a US$ 2,15 por ação. O resultado veio acima do ganho de US$ 4,3 bilhões (ou US$ 1,64 por ação) registrado em igual período de 2018 e superou também as expectativas de analistas, de US$ 1,82 por ação.

Às 10h35, o Ibovespa subia 0,05%, na máxima, aos 117.379,34 pontos, após cair na mínima aos 116.922,68 pontos. Na sexta-feira (10), os investidores estrangeiros retiraram R$ 963,509 milhões da B3. Em janeiro, o saldo está negativo em R$ 4,643 bilhões. Já o dólar à vista caía 0,03%, a R$ 4,1404.

Internamente, o único dado informado foi o do setor de serviços, que mostrou queda de 0,1% em novembro na comparação com outubro, após crescimento acumulado de 2,2% entre setembro e outubro. O dado ficou menos negativo que a mediana de -0,15% das estimativas no levantamento do Projeções Broadcast. Para o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o resultado não interrompe trajetória de melhora, e indica acomodação.

Apesar do número ter ficado com recuo menos expressivo que a mediana, um analista diz que não deve ter força para influenciar os negócios na B3, já que independentemente das apostas para o juro básico – queda ou manutenção em 4,50% ao ano -, a Selic seguirá em nível histórico de baixa. “E isso já está precificado. O que vai determinar o rumo da Bolsa é o exterior”, diz um analista de renda variável.

Ainda que tenha apresentado instabilidade mais cedo, o economista-chefe do ModalMais, Álvaro Bandeira, acredita que há espaço para ganhos na B3.

No mercado doméstico, Bandeira avalia que o noticiário corporativo pode dar algum fôlego para as respectivas ações, mas não necessariamente para a Bolsa como um todo. “É o exterior que tende a definir”, estima.

Dentre as notícias, a Marfrig Global Foods e a Minerva Foods receberem ontem habilitação da Arábia Saudita para exportar carne bovina produzida no Uruguai.

Maria Regina Silva

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Descubra os segredos e técnicas de

GUSTAVO

CERBASI

Descubra os segredos e técnicas de

GUSTAVO

CERBASI