7 dúvidas frequentes sobre debêntures e suas respostas

Está pensando em investir o seu dinheiro e não sabe como e nem onde começar?

Então, vamos te ensinar o que são debêntures. Elas são títulos de dívida de médio e longo prazo emitidos por empresas e que conferem ao detentor do título, o debenturista, um direito de crédito contra a emissora.

O investidor de debêntures busca renda por meio do empréstimo de seus recursos à empresa que emite as debêntures. Esses títulos são emitidos por empresas de capital aberto que querem captar recursos no mercado.

O objetivo na emissão de debêntures é que a empresa consiga obter recursos em longo prazo para financiar seus projetos de investimentos ou, então, para estender as dívidas ou as necessidades financeiras que possuem.

Os títulos podem ser emitidos por qualquer empresa que esteja enquadrada no modelo de Sociedade Anônima (S.A.), seja no formato aberto (quando não negocia suas ações na Bolsa de Valores) ou no fechado (quando não aplica ações na Bolsa).

Como em qualquer outra aplicação, o investidor de debêntures também não está imune aos riscos oferecidos pelo título.

Os mais comuns são:

Risco de mercado: está relacionado à oscilação do mercado que afeta preços e taxas de juros e pode afetar diretamente o valor que você emprestou e fazer variar o montante final que você vai receber de volta;

Risco de liquidez: é a possibilidade de vender a sua debênture a outra pessoa e esse interessado não lhe oferecer o preço justo a ser pago por ela;

Risco de crédito: ocorre quando a empresa deixa de cumprir com suas obrigações e não devolve o valor investido ao credor. Isso ocorre, por exemplo, nos casos de falência, de recuperação judicial ou extrajudicial e de insuficiência de garantias.

Quem investe em uma debênture como pessoa física tem a possibilidade de receber a isenção no Imposto de Renda, nos casos em que a aplicação feita é voltada para as empresas que atuam com infraestrutura. A orientação é da lei 12.431.

Além disso, há debêntures com valores iniciais mais baixos, que oportunizam o acesso popularizado e outras opções variadas de rentabilidade que podem sem selecionadas pelo investidor de acordo com o modelo que mais se adequar ao seu perfil: com juros pré ou pós fixados, mistos ou, então, conversíveis em ações e com possibilidade de retorno acima dos títulos públicos são alguns exemplos.

Isso faz com que o investidor fique mais tranquilo, já que conhece a rentabilidade e o prazo com o qual está trabalhando.

*Por: Raul Meyer, diretor administrativo da ATIVA Investimentos