4 formas para controlar a moeda utilizada pelo governo

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tweet
Compartilhar no linkedin
Publique
Compartilhar no whatsapp
Encaminhe
Compartilhar no email
Envie

Newsletter

Tire dúvidas sobre investimentos

Receba notícias pelo Telegram

BB

Confira as 4 formas para controlar a moeda utilizada pelo Banco Central em busca de conduzir, da melhor maneira possível, a política monetária. Estes são considerados instrumentos que visam aumentar ou reduzir a circulação da moeda na economia.

Estas medidas possuem dois objetivos principais: aumentar ou restringir os gastos e o consumo dos agentes econômicos. Portanto, são instrumentos que permitem ao governo atuar realizando uma política monetária restritiva ou expansiva.

4 formas para controlar a moeda

Recolhimento de compulsório:

Refere-se ao valor que deverá fiar retido no Banco Central sobre os depósito captados pelos bancos. Quanto maior o valor desse recolhimento, menor a disponibilidade dos bancos para realizar empréstimos. Se o compulsório for reduzido, significa que os bancos terão maior disponibilidade de recursos para realizar empréstimos, estimulando o crédito e o consumo.

Operações de mercado aberto (open market):

O governo interfere no dia a dia do mercado financeiro com o objetivo de influenciar a liquidez, ou seja, o volume de recurso disponíveis. Assim, as operações realizadas no chamado “mercado aberto” funcionam da seguinte maneira: quando o Banco Central vende título do Tesouro Nacional, por consequência tira dinheiro de circulação, com isso, controla a quantidade e a liquidez do sistema (por outro lado, financia o deficit, porque gasta mais do que arrecada, se transformando em dívida pública). Já quando o governo compra os títulos de volta, ao pagar por eles, o dinheiro retorna aos bancos e, consequentemente, para a economia como um todo, aumentando a quantidade de dinheiro em circulação e a liquidez.

Operação de redesconto:

Se refere à atuação do Banco Central no sistema financeiro através de empréstimo de recursos aos bancos e redesconto de títulos de crédito, com o objetivo de socorrer os bancos com dificuldades de equilibrar seu saldo em situações em que saques versus depósitos realizados pelos clientes apresentam saldo negativo.

Controle seletivo de crédito:

Segundo Newlands Jr. é um instrumento que impõe restrições ao livre funcionamento das forças do mercado, pois estabelece controles diretos sobre o volume e o preço do crédito. Exemplo: em uma situação de inflação elevada, o Banco Central, por determinação do CMN, pode impor limites nos níveis de empréstimos das instituições financeiras e outras não financeiras. Em outras palavras, podendo impor prazos máximos para alguns tipos de financiamento e estabelecer limites de crédito para outros tipos de consumo.

Reflexo do uso destes instrumentos

PIB INFLAÇÃOLIQUIDEZ
Aumentar compulsório e Redesconto ou Vender T.P.FREDUZREDUZ REDUZ
Reduzir Compulsório e Redesconto ou Compra T.P.FAUMENTAAUMENTAAUMENTA
T.P.F= Título Público Federal

Advertência

Declaramos que o Portal Acionista.com.br não se responsabiliza pelas informações divulgadas neste site e qualquer outro canal, tanto referente às matérias de produção própria , quanto matérias ou análises produzidas por terceiros ou reproduzidas de links autorizados, publicados nas nossas páginas a partir de uma seleção criteriosa, porém sem garantir sua integralidade e exatidão.
Matérias e  análises produzidas por terceiros são de inteira responsabilidade dos mesmos. As informações, opiniões, sugestões, estimativas ou projeções referem-se a data presente e estão sujeitas à mudanças conforme as condições do mercado, sem prévio aviso.
Informamos, ainda, que o Acionista.com.br não faz qualquer recomendação de investimento e que, portanto, não se responsabiliza por perdas, danos, custos e lucros cessantes decorrentes de operações financeiras de qualquer tipo, enfatizando que as decisões sobre investimentos são pessoais.
Importante lembrar sempre: ganhos passados, não são garantia de ganhos futuros.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Leia também

Conheça o Painel Acionista: em um só lugar tudo o que você precisa saber sobre investimentos